terça-feira, 28 de março de 2017

Uma frase que dispensa apresentações


Pessoas sábias gastam o tempo com o que é realmente importante.
(autor desconhecido)

terça-feira, 21 de março de 2017

The Scarecrow

 
Uma curta animação (3:22 min) para reflexão.
É o tipo de video do qual não encontrei muito o que dizer, mas espero que gostem, pois vale muito a pena assistir.





Se o video não carregar, o link é esse: https://www.youtube.com/watch?v=lUtnas5ScSE


Até a próxima!

terça-feira, 14 de março de 2017

Evite os 100 erros mais comuns da língua portuguesa com esse jogo


Quantas vezes não ficamos em dúvida sobre a grafia correta de uma palavra, a maneira correta de uma concordância ou de um tempo verbal?


Esse jogo simples com 5 níveis de dificuldade nos ajuda a relembrar ou aprender algumas peculiaridades da língua portuguesa de forma agradável e leve. Além disso, há uma breve explicação sobre cada acerto ou erro.

Conhecimento nunca é demais, não é mesmo? Por isso, espero que você goste desse jogo do Portal UOL – Educação.

Clique aqui  ou na imagem para acessar.




http://educarparacrescer.abril.com.br/100-erros/index.shtml

terça-feira, 7 de março de 2017

O teste das 3 peneiras


Provavelmente você já ouviu esse ensinamento em alguma época de sua vida.

Infelizmente muitas vezes nossas afirmações não passam no teste abaixo, gerando desconforto, ressentimentos, raiva, desconfiança, medo, decepção entre outros sentimentos e sensações desagradáveis.

Da próxima vez em que você estiver em dúvida sobre comentar algo com uma pessoa, lembre-se dessa historinha:


Um rapaz procurou Sócrates e disse-lhe que precisava contar-lhe algo sobre alguém.

Sócrates ergueu os olhos do livro que estava lendo e perguntou:

- O que você vai me contar já passou pelas três peneiras?

- Três peneiras? - indagou o rapaz.

- Sim! A primeira peneira é a VERDADE. O que você quer me contar dos outros é um fato? Caso tenha ouvido falar, a coisa deve morrer aqui mesmo. Suponhamos que seja verdade. Deve, então, passar pela segunda peneira: a BONDADE. O que você vai contar é uma coisa boa? Ajuda a construir ou destruir o caminho, a fama do próximo? Se o que você quer contar é verdade e é coisa boa, deverá passar ainda pela terceira peneira: a NECESSIDADE. Convém contar? Resolve alguma coisa? Ajuda a comunidade? Pode melhorar o planeta?

Arremata Sócrates:

- Se passou pelas três peneiras, conte! Tanto eu, como você e seu irmão iremos nos beneficiar.
Caso contrário, esqueça e enterre tudo. Será uma fofoca a menos para envenenar o ambiente e fomentar a discórdia entre irmãos.
 


Fonte: https://pensador.uol.com.br/frase/NTU5ODg/


E lembre-se: muitas vezes, o silêncio é ouro.

 

Até a próxima!

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Consumidores mastigando pouco?


Um dos maiores erros dos consumidores do mundo contemporâneo é que estamos mastigando pouco. Essa foi a conclusão do educador financeiro Marcos Silvestre no texto: O erro dos consumidores? Estão mastigando pouco!
 

A analogia é muito adequada e criativa, pois o que tem se tornado cada vez mais comum na alimentação (mas não normal, veja aqui) está sendo utilizado também em relação ao consumo.

Todos sabemos que mastigar várias vezes o alimento, sem pressa e em um ambiente agradável e adequado são práticas fundamentais para uma boa digestão. Mas quem habitualmente age dessa forma?

Segundo Silvestre, ao mastigar pouco, comemos muito mais do que o necessário, saboreamos pouco e engolimos rápido demais.
Tudo isso resulta em uma digestão mais lenta e difícil, menor absorção de nutrientes e sensação de saciedade por menor tempo. Imagine esse hábito sendo praticado em longo prazo!

Em relação ao consumo, será que não estamos trilhando o mesmo caminho?

Temos pressa em consumir, mas por pouco tempo, pois logo o objeto de consumo já não desperta mais tanto interesse. Então, temos novamente desejos de compra, que nos levam a mais consumo com satisfação cada vez mais passageira, dando lugar a novos desejos de consumo em um círculo vicioso muito intenso, dinâmico e destruidor do orçamento doméstico, dos recursos naturais e gerador de mais lixo.

E assim, muitas vezes vamos nos tornando acumuladores de coisas que não nos interessam ou que não mais usaremos, mas que queremos comprar simplesmente pelo ato de comprar. Podem ser livros, roupas, sapatos, filmes, jogos. Objetos que temos apenas pela ânsia de ter, pois no fundo sabemos que dificilmente usaremos novamente aquele objeto.

As gerações passadas davam muito mais valor ao que possuíam, pois, a escassez de recursos financeiros obrigava as famílias a limitarem gastos com supérfluos, então tudo era muito bem aproveitado. Infelizmente o apelo do marketing e a facilidade para comprar resultaram em indivíduos insaciáveis e com satisfação fugaz em relação ao que foi comprado.

Como disse o Guilherme no blog Valores Reais: deixe as coisas gastarem. Se ainda está sendo útil e atendendo suas necessidades, por que comprar outro? Porque está um pouco desatualizado? Porque está fora de moda? Porque “todo mundo” tem um modelo novo e mais moderno?

Se não conseguirmos nos dominar nesse sentido, o consumismo nos dominará, causando um impacto ambiental maior ainda do que o atual já não suportado pelo planeta.

Por isso, antes de fazer novas aquisições, reflita se a compra é realmente indispensável ou se não é uma nova influência da mídia e/ou da sociedade criando uma nova necessidade desnecessária.

Pense nisso!