terça-feira, 17 de janeiro de 2017

200 = 162 = 81 = 29? - Realidade ilógica e perversa


Para iniciar esse post, gostaria de informar alguns dados:
1) Em 2016, a Receita Federal recebeu aproximadamente 29 milhões de declarações de Ajuste Anual de Imposto de Renda.
2) A declaração foi obrigatória para renda anual superior a R$ 28.123,91.
3) O Brasil possui 81% da população em idade economicamente ativa, segundo José Eustáquio Alves – demógrafo do IBGE em entrevista à Revista Veja (22/07/2015).
4) A população brasileira é de aproximadamente 200 milhões de pessoas.

5) A tabela de correção do imposto de renda está inexplicável e absurdamente defasada em mais de 80%.
Ao correlacionar os dados, consegue perceber algo estranho?

Um país com 200 milhões de habitantes, renda mínima baixa para a obrigatoriedade de entrega da declaração, 81% da população em idade economicamente ativa e mesmo assim, apenas 14,5% dessa população recebe mais de R$ 28.123,91 por ano para entregar a declaração? Há declarações conjuntas, mas não as levarei em consideração para simplificar a ideia. De qualquer maneira, mesmo que elas dobrassem a quantidade de declarações, ainda seria um número baixo, considerando-se os outros 3 dados iniciais do post, pois 81% da população está em idade economicamente ativa.


Impostos

Segundo José Eustáquio Alves (citado acima):
- Somente metade dos 162 milhões de habitantes em idade economicamente ativa trabalha (dados de 2015, antes da recessão acentuada, então podemos considerar que a situação é bem pior atualmente). De fato, somente 81 milhões de pessoas trabalhavam em 2015;
- Desses 81 milhões, 35% entregaram a declaração.
Então, 65% dos trabalhadores, que são a metade da população ativa, não ganha mais de R$ 28.123,91 por ano?

Não é de hoje que vemos:
- A estagnação dos salários, que muitas vezes apresentam perdas reais;
- O aumento dos impostos;
- Estagflação (cenário de estagnação com inflação).

Um estudo do economista Mansueto de Almeida Júnior mostra que de 1991 a 2004 a renda real foi de 103% enquanto a arrecadação de impostos foi de 184%. Dados atuais seriam mais impressionantes ainda, pois a arrecadação bate recordes ano após ano, sem o devido retorno ao contribuinte através de serviços públicos de qualidade.

O poder de compra é muito prejudicado devido a quantidade inexplicável de impostos, tributos, taxas, etc.
Veja no link abaixo a porcentagem de impostos em uma lista de produtos:
Porcentagem de impostos embutidos em produtos e serviços

No mês de março/16, lembro de ter visto uma repórter falando em uma grande emissora de tv: “Esse ano são esperadas a entrega de aproximadamente 29 milhões de declarações de imposto de renda.” E desde então estive pensando em escrever a respeito disso, embora entenda muito pouco de economia (correções ao texto são bem-vindas).

População: 200 milhões.
Declarações entregues: 29 milhões.
Renda mínima para obrigatoriedade da entrega: R$ 28.123,91 anuais.

Será que é impressão minha ou realmente há algo muito estranho nisso tudo?

Percebo que o país está envelhecendo pobre, ao contrário do Japão, que ficou rico antes de ficar velho. Mas esse é um assunto para outro post, que farei em breve.



Até a próxima.



Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos
 


2 comentários:

  1. Rosana, fiquei curioso também e achei esse link:
    http://www.ibpt.com.br/noticia/1860/Populacao-que-recebe-ate-tres-salarios-minimos-e-a-que-mais-gera-arrecadacao-de-tributos-no-pais

    Pelo percentual da população que ganha até 2 SM, pela consideração de declarações conjuntas e pelas eventuais sonegações, acho que o número é esse mesmo...

    Apesar do roubo dos impostos, quem entrega declaração IR no Brasil ainda está em situação menos pior do que a imensa maioria dos brasileiros...

    Abraço.

    P.S.: "Então, 75% dos trabalhadores, que são..." Na verdade são 65% :)

    ResponderExcluir
  2. André,

    O texto que você enviou mostra bem a triste realidade em que vivemos:
    "Mais de 79% da população brasileira, que recebe até três salários mínimos por mês, contribui com 53% da arrecadação tributária total no país."
    Paga-se muito imposto e o retorno é mínimo (quando existe).

    E como você disse, que entrega a declaração ainda está está em situação menos pior do que aqueles que não entregam.

    É lamentável a situação na qual o país se encontra, pois sem reforma tributária e geração de empregos, a economia não anda. O que faz um país se desenvolver são os investimentos, mas com toda essa instabilidade política e econômica, não sei se podemos acreditar em um futuro melhor do que vemos hoje, pelo menos não em médio prazo. Talvez em breve, até quem ganha salário mínimo (que nem para as necessidades básicas serve) tenha que pagar imposto de renda...

    Agradeço pela correção, já modifiquei no texto! :)

    Abraços,

    ResponderExcluir