segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

O próximo ano


Que no próximo ano sejamos capazes de dar valor ao que realmente importa...


Hoje eu gostaria de compartilhar um trecho de um livro:

Marley e eu
"O que eu realmente queria contar era como este animal tocara nossas almas e nos ensinara algumas das lições mais importantes de nossas vidas. 
“Uma pessoa pode aprender muito com um cão, mesmo com um cão maluco como o nosso”, escrevi. 
“Marley me ensinou a viver cada dia com alegria e exuberância desenfreadas, aproveitar cada momento e seguir o que diz o coração. 
Ele me ensinou a apreciar coisas simples — um passeio pelo bosque, uma neve recém-caída, uma soneca sob o sol de inverno. 
E enquanto envelhecia e adoecia, ensinou-me a manter o otimismo diante da adversidade. 
Principalmente, ele me ensinou sobre a amizade e o altruísmo e, acima de tudo, sobre lealdade incondicional”.
Era um conceito interessante que só então, após a morte dele, eu compreendia inteiramente. Marley como mentor. Como professor e exemplo. 

Seria possível para um cachorro — qualquer cachorro, mas principalmente um absolutamente incontrolável e maluco como o nosso — pudesse mostrar aos seres humanos o que realmente importava na vida? Eu acreditava que sim. 
Lealdade. Coragem. Devoção. Simplicidade. Alegria. 

E também as coisas que não tinham importância. 
Um cão não precisa de carros modernos, palacetes ou roupas de grife. Símbolos de status não significam nada para ele. 
Um pedaço de madeira encontrado na praia serve. 
Um cão não julga os outros por sua cor, credo ou classe , mas por quem são por dentro. 
Um cão não se importa se você é rico ou pobre, educado ou analfabeto, inteligente ou burro. Se você lhe der seu coração, ele lhe dará o dele. 
É realmente muito simples, mas, mesmo assim, nós humanos, tão mais sábios e sofisticados, sempre tivemos problemas para descobrir o que realmente importa ou não. 
Enquanto eu escrevia a coluna de despedida para Marley, descobri que tudo estava bem à nossa frente, se apenas pudéssemos ver. Às vezes, era preciso um cachorro com mau hálito, péssimos modos e intenções puras para nos ajudar a ver."

(Do livro Marley & Eu)

Nota: Não sei quem é o autor dessa imagem. Se você souber, por gentileza, me avise para eu colocar os devidos créditos no post.
Desde já agradeço!


terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Natal



(Video: Merry Christmas Dog)

Seria tão bom se o Natal voltasse a ser simples como antes, como o desse vídeo. Sem excessos, sem barulheira, com respeito. 

As famílias reunidas em uma ceia sem tantos exageros gastronômicos.
Uma época em que a falsidade, o consumismo e a "bobice" quase generalizada não tinham espaço de forma tão intensa e aparente como hoje. 


Uma época em que os fogos de artifício eram realmente bonitos pois era um aqui e outro ali, algo bonito de se ver e não esse exagero que temos que suportar atualmente. 

O que era para ser uma festa bonita e agradável à todos, se torna uma tortura para todos os animais que vivem nas cidades e também para as pessoas que não gostam dessa barulheira toda. Muitos cães inclusive, acabam escapando ou se machucando na tentativa de fugir, tão desesperados ficam com essa barulho exageradamente insano.

As músicas são um triste capítulo à parte, pois aqui também há muito exagero, cada um quer colocar o som mais alto que o outro... Sem contar a qualidade, que quase não existe mais.
E muitas vezes essa barulheira vai até o sol raiar, sem respeito algum aos que querem dormir ou aos que trabalham no dia seguinte e por isso precisam descansar.

O que era para ser uma bonita comemoração se tornou motivo de bebedeira, estresse e discussões.

E quem não quer participar, de forma indireta é obrigado a participar também, pois quem é que consegue dormir com essa barulheira toda?






 

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

As coisas importantes da vida


Vivemos em um mundo muito materialista e consumista. Por isso, hoje eu gostaria de compartilhar uma reflexão sobre o que é realmente importante na vida.
Muitas pessoas somente dão valor aos itens citados no texto quando já é tarde demais. Por isso, precisamos HOJE dar atenção ao que realmente importa.

Life Balance


"Um professor de Ciências queria demonstrar um conceito aos seus alunos. Ele pegou um vaso de boca larga e colocou algumas pedras dentro. Então perguntou à classe:
- Está cheio?

Unanimemente, os alunos responderam:
- Sim!

O professor então pegou um balde de pedregulhos e virou dentro do vaso. Os pequenos pedregulhos se alojaram nos espaços entre as rochas grandes. Então perguntou aos alunos:
- E agora, está cheio?

Desta vez alguns estavam hesitantes, mas a maioria respondeu:
- Sim!

O professor então levantou uma lata de areia e começou a derramar areia dentro do vaso. A areia então preencheu os espaços entre os pedregulhos. Pela terceira vez o professor perguntou:
- Então, está cheio?

Agora a maioria dos alunos estava receosa, mas novamente muitos responderam:
- Sim!

O professor então mandou buscar um balde de água e jogou-a dentro do vaso. A água saturou a areia, e desapareceu no meio dela. Neste ponto, o professor perguntou para a classe:
- Qual o objetivo desta demonstração?

Um jovem e brilhante aluno levantou a mão e respondeu:
- Não importa quanto a "agenda" da vida de alguém esteja cheia, ele sempre conseguirá "espremer" dentro mais coisas!

- Não, respondeu o professor. O ponto é o seguinte: A menos que você coloque as pedras grandes em primeiro lugar dentro do vaso, nunca mais as conseguirá colocar lá dentro. As pedras grandes são as coisas importantes de sua vida: seu relacionamento com Deus, sua família, seus amigos, seu crescimento pessoal e profissional. Se você preencher sua vida somente com coisas pequenas, como demonstrei com os pedregulhos, com a areia e a água, as coisas realmente importantes nunca terão tempo, nem espaço em suas vidas."


Fonte da reflexão: http://distritosuldailha3.blogspot.com.br/2012/04/as-coisas-importantes-da-vida.html 
Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos


terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Quando excluímos a presença de Deus


Bíblia
Uma pequena grande reflexão:

Quando excluímos a presença de Deus de qualquer aspecto da experiência humana, experimentamos grandes transtornos. 
A maior revolução acontece com Deus.

(Darleide Alves)



Créditos da imagem: pazham - Free Digital Photos

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Água não é um direito humano básico. Ou é?






Se o botão de "ativar legendas" não aparecer, assista por aqui:
Presidente da Nestlé: "Água Não É Um Direito Humano Básico."


Água

Não tenho muitos comentários a fazer, mas para mim algumas frases do vídeo merecem destaque:

"Nunca tivemos tantas coisas boas, nunca tivemos tanto dinheiro, nunca fomos tão saudáveis, nunca vivemos tanto quanto vivemos hoje."
Nunca fomos tão saudáveis ou nunca fomos tão doentes?
Realmente existe muito dinheiro, mas ele está concentrado nas mãos de poucos.

"Temos tudo o que queremos e ainda andamos por aí como se estivéssemos nos lamentando por alguma coisa."
Será que tudo isso não tem relação com o consumismo excessivo e com a falta de valores morais que vem causando um desequilíbrio generalizado e que resulta nessa insatisfação inconsciente?


O que você acha?
 


Créditos da imagem: Idea go - Free Digital Photos

terça-feira, 26 de novembro de 2013

O vaso da vida


Imagine que a nossa vida é um vaso.

Vaso de flores

Ao nascermos esse vaso está vazio, mas desde cedo e aos poucos, colocamos coisas nele - de todo tipo, boas e ruins - sem prestar muita atenção na qualidade delas.
Até que um belo dia nos damos conta de que nosso vaso está cheio... de lixo.

E se refletirmos um pouco mais, perceberemos quanto tempo e vida desperdiçamos com todo esse lixo, que muitas vezes chega até nós em embalagens muito atraentes, mas que servem para desviar nosso foco do que é realmente importante e até de nossos valores, que à essa altura estão praticamente escondidos e esquecidos lá no fundo do vaso.

A caminhada para a "limpeza" é árdua e exige muita disciplina, perseverança e paciência, mas vale a pena pois se assim não o fizermos, a cada dia continuaremos a colocar - muitas vezes sem querer ou de forma inconsciente - mais lixo em nosso vaso, o que um dia tornará a limpeza inviável ou até impossível.

Devemos nos lembrar de que lá no fundo do vaso estão os nossos valores, que nos ajudarão a tornar essa limpeza uma realidade em nossa vida.
Aos poucos, o lixo acumulado durante tantos anos vai dando lugar a um ambiente mais limpo, organizado, com menos estresse e ansiedade, de forma que além da melhora em nossa própria vida, nossas novas atitudes servirão de inspiração para outras pessoas fazerem o mesmo.


Pense nisso!

Créditos da imagem: Phil_Bird - Free Digital Photos


terça-feira, 19 de novembro de 2013

Alegoria da existência


Há muitos anos eu li esse texto, que me fez refletir muito sobre a minha própria vida. Até aquele momento, eu ainda não havia reparado em quantas mensagens tão profundas e simples existem nessa canção.
Como a cantamos tão alegres na infância! 
Até quem um belo dia, nossa aquarela também descolorirá...


Crianças

ALEGORIA DA EXISTÊNCIA
“Aquarela” se mostra como uma belíssima metáfora sobre a vida
por Ana Lira

Existem coisas da nossa infância que imprimem na alma uma marca tão forte, que acabamos carregando a sensação que elas nos proporcionam o resto da vida. Quando pequenina, uma música de Toquinho, Vinício de Moraes, Guido Morra e Maurizio Fabrizio acompanhava o meu dia–a–dia: “Aquarela”. Lembro que corria para frente da televisão, já grandinha, quando a Faber Castell resolveu colocá–la como trilha sonora da propaganda de sua coleção de lápis. Ficava olhando aqueles desenhos na TV e acompanhando a música. Quando terminava, sempre cantava o resto da música sozinha e às vezes ficava repetindo até mamãe mandar parar.

Não por acaso esta coluna foi batizada com o mesmo título. Na hora de escolher pensei em algo que me fizesse feliz e lembrei que, mesmo adulta, quando queria me sentir assim cantava esta canção. O nome me faz pensar na comparação entre a vida e uma tela em branco. O pintor é um agente criador e modificador daquele panorama estampado pelos traços dos pincéis. Da mesma forma, o ser humano é sujeito de sua própria existência. Ele pode não prever o futuro, mas detém capacidade de adaptar-se e assim modifica a realidade, buscando situações que lhe sejam favoráveis.

Todas as vezes que leio a letra encontro algo que não havia percebido antes. Antes eu dividia a letra em duas etapas: a etapa em que os compositores falam da nossa capacidade imaginativa, dos sonhos de nossa alma, de viajar o mundo, conhecer outros países, outras culturas, admirar a beleza dos lugares, a singularidade de cada situação e da etapa em que eles falam da vida, do futuro, do menino que caminha rumo a algo incerto, sob o qual ele não tem controle, não pode prever. Mas nunca havia prestado atenção em uma terceira etapa da música em que eles falam sobre a morte. São os últimos versos da música.

    Vamos todos juntos numa passarela de uma aquarela
    que um dia enfim descolorirá
    Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo
    Que descolorirá
    E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo
    Que descolorirá
    Giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo
    Que descolorirá

Um dia a Aquarela descolorirá. Não será mais vida. O sol amarelo descolorirá. O castelo descolorirá. O mundo descolorirá. A música parece-me uma metáfora belíssima dos vários ditados e máximas que dizem que devemos fazer de nossas vidas o melhor que pudermos, pois um dia deixaremos de existir. O verbo “descolorir” se adequa perfeitamente. A pintura descolore, desbota, perde a vida. A gravura sem retoques sucumbe a algo que é maior do que ela: o tempo. Nós deixamos de existir quando o que se faz presente é maior do que a nossa capacidade de alterar a realidade a nosso favor.

Quando refleti sobre estes últimos aspectos da letra, fiquei ainda mais fascinada. Ela é tão simples, sem apelos lingüísticos, sem rebuscamento e diz tantas coisas em suas linhas e entrelinhas. Se quando criança me sentia contente em ouví-la, hoje, com vinte e cinco anos vividos, diante da revelação do que ela pode significar, não me arrependo de pintar seus versos em minha Aquarela.

Para quem quiser cantar junto...

AQUARELA
(Toquinho, Vinício de Moraes, Guido Morra e Maurizio Fabrizio)

Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo
E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo
Corro o lápis em torno da mão e me dou uma luva
E se faço chover, com dois riscos tenho um guarda-chuva
Se um pinguinho de tinta cai num pedacinho azul do papel
Num instante imagino uma linda gaivota a voar no céu

Vai voando, contornando a imensa curva norte-sul
Vou com ela viajando, Havaí, Pequim ou Istambul
Pinto um barco a vela branco navegando
É tanto céu e mar num beijo azul

Entre as nuvens vem surgindo um lindo avião rosa e grená
Tudo em volta colorindo com suas luzes a piscar
Basta imaginar e ele está partindo,
sereno indo e se a gente quiser
Ele vai pousar

Numa folha qualquer eu desenho um navio de partida
Com alguns bons amigos bebendo de bem com a vida
De uma América a outra eu consigo passar num segundo
Giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo
O menino caminha e caminhando chega no muro
E ali logo em frente a esperar pela gente o futuro está

E o futuro é uma astronave, que tentamos pilotar
Não tem tempo nem piedade, nem tem hora de chegar
Sem pedir licença muda nossa vida
E depois convida a rir ou chorar

Nessa estrada não nos cabe, conhecer ou ver o que virá
O fim dela ninguém sabe, bem ao certo, onde vai dar
Vamos todos numa linda passarela
de uma aquarela que um dia enfim
Descolorirá
Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo
Que descolorirá
E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo
Que descolorirá
Giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo
Que descolorirá


 

 
Esse texto eu encontrei há alguns anos na internet e salvei no meu computador. Não encontrei mais o site para colocar a fonte, então se alguém souber, por favor, deixe um comentário abaixo com o link da página para eu colocar os devidos créditos no post.
Obrigada!


Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos



terça-feira, 12 de novembro de 2013

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Ilusão de óptica





Nota: Salvei essa imagem em meu computador há alguns anos e não tenho mais a fonte. Então, se você souber a página onde essa imagem está hospedada, por favor, deixe um comentário abaixo com o link para eu colocar os devidos créditos no post.
Obrigada!


 

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Seguir adiante


Encontrei essa frase em um folheto e achei interessante:

"O homem que decide parar e esperar que as coisas melhorem, verificará mais tarde que aquele que não parou e seguiu adiante está tão longe que jamais será alcançado."

Acho que isso é válido para muitas áreas de nossas vidas e gostaria de destacar duas: a financeira e a profissional.

Na financeira, quanto mais cedo você tiver consciência da importância de poupar uma parte de seus rendimentos e investí-los, mais fácil será tornar isso um hábito para toda a vida. 
E lá na frente, você verá o quanto esse hábito fez toda a diferença.

Na profissional, o fator idade tem grande importância. Atualmente, pessoas com 35, 40 anos já são consideradas "velhas" para o mercado. Então nada melhor do que começar cedo, pois dessa forma as chances de sucesso serão bem maiores.

É como diz o velho ditado:  
"Nunca deixe para amanhã o que você pode fazer hoje."

Sucesso
Créditos da imagem: thaikrit - Free Digital Photos


terça-feira, 22 de outubro de 2013

Reflexão sobre a fraqueza

Hoje, se estou me sentindo vazio ou frustrado, não acusarei ninguém senão a mim mesmo.
 
Quando não mais encontramos satisfação em nossas mais acalentadas crenças e começamos a duvidar de nossas costumeiras reações e opiniões, estamos prontos para iniciar uma nova vida.
 
Muitos de nós, contudo, encaramos esse momento decisivo em nossa vida como um sinal de “fraqueza”.
 
Desgostosos de nós mesmos, muitas vezes disfarçamos nosso vazio pondo a culpa em membros da família, uma infância miserável, empregos, políticos corruptos, má saúde ou péssimas amizades.
 
Todavia, a verdadeira carência está dentro de nós mesmos não em qualquer outra pessoa, circunstância externa ou instituições.
 
Quando admitimos essa carência e tomamos as medidas necessárias para atendê-la com novas ideias e atitudes, passamos a ver que nossas maiores “fraquezas” são as avenidas que nos levam a um maior crescimento interior, felicidade e serenidade.

Broken Link


Fonte do texto: minutodesabedoria.com.br
Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos 

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Simplicidade


Há alguns dias eu vi um homem dirigindo seu carro, que calculo ter entre 15 a 20 anos de uso.
O que me chamou a atenção é que, apesar de ser um dia de semana em uma cidade cada vez mais caótica como São Paulo, ele tinha um semblante calmo. E sorria, ao mesmo tempo em que conversava. Como estava sozinho, pensei que estivesse conversando em um telefone celular.

Mas não.

No banco de trás, havia um cachorro, muito tranquilo e à vontade dentro do automóvel.

A leveza e a simplicidade da cena me impressionaram de alguma forma.

Muitas vezes acreditamos ou somos influenciados pela mídia a acreditar que precisamos de muitas coisas materiais - novas, de preferência - para sermos felizes.

Mas será que precisamos mesmo?

Fica a pergunta para reflexão.


Dog


Créditos da imagem: tuelekza - Free Digital Photos

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Koyaanisqatsi - vida fora de equilíbrio


Aproveitando o post da semana anterior, hoje resolvi postar um video que considero muito bom. Vale a pena ver até o final.
É um trecho do filme Koyaanisqatsi, Life out of balance (vida fora de equilíbrio), um filme-documentário de 1982.

Repare nas fisionomias das pessoas que estão nas ruas e nos carros.
Semblantes felizes? Tristes?  
Vazios? Inexpressivos? 
Ansiosos? Calmos?
Indiferentes? Indecifráveis?

Eu fico pensando:
O que temos feito para que a situação apresentada no filme melhore? 
Ou piore?

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Dignidade

 
Um dia, um jovem na floresta perguntou ao fogo:
- Se eu te perder, onde posso te achar?
O fogo respondeu:
- Olhe para o alto e para as montanhas e você me achará.

O jovem também perguntou para a água:
- Se eu te perder, onde posso te achar?
A água respondeu:
- Olhe pela floresta, nas árvores, nas folhas e onde encontrar uma gota de orvalho, eu estarei lá.

O jovem perguntou também para dignidade:
- Se eu te perder, onde posso te achar?
Ela respondeu:
- Lute muito, jovem, para não me perder, porque o dia que me perder, jamais me achará.


(Autor desconhecido) 

Equilíbrio

Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos

terça-feira, 24 de setembro de 2013

O último abraço


Tenho quase certeza de que você não se lembra do primeiro abraço que ganhou na vida.
De quem será que foi? De seu pai? De sua mãe? De um de seus avós?
 

Mas do último abraço nunca nos esqueceremos...

Todos sabemos que devemos valorizar os momentos com as pessoas que são importantes para nós. Mas quem realmente faz isso de verdade?
 

O tempo entre o início e o fim da vida passa velozmente, embora muitas vezes não tenhamos consciência disso. 
E algumas vezes, quando nos damos conta já é tarde demais.

Por isso, não deixe de aproveitar hoje os bons momentos com as pessoas que você ama.
E que tal abraçá-las de forma tão profunda, sincera e intensa como raramente costumamos fazer?


Minha avó costumava me abraçar assim. E apesar de ela ter falecido há 17 anos, nunca me esqueci de seu último abraço...



Life Sandglass


Créditos da imagem: Sira Anamwong - Free Digital Photos

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Lições de bichos e coisas


Tenho inveja das plantas e dos animais.
Parecem-me tão tranquilos, possuidores de uma sabedoria que nós não temos. Como se desfrutassem da felicidade do Paraíso.
 

Sofrem, pois não existe vida sem sofrimento. Mas sofrem sempre como se deve, quando o sofrimento vem, na hora certa, e não por antecipação.
Saber sofrer é uma lição difícil de aprender.


Little dog

Se um terrível golpe nos golpeia e não sofremos, algo está errado. Pois como não chorar, se o destino nos faz sangrar?

Se não choramos é porque o coração está doente, perdeu a capacidade de sentir.
Mas sofrer fora de hora é doença também, permitir-se ser cortado por golpes que ainda não aconteceram e que só existem como fantasmas da imaginação.

Os animais sabem sofrer. Nós não.

Somos prisioneiros da ansiedade.
Pois ansiedade é isto: sofrer fora de hora, por um golpe que, por enquanto, só existe no futuro que imaginamos.

(Rubem Alves)


Créditos da imagem: patrisyu - Free Digital Photos

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

O outro e você


Não é esquisito que:

Quando o outro não faz é preguiçoso.
Quando você não faz.... Está muito ocupado.

Quando o outro fala é intrigante.
Quando você fala...é crítica construtiva.

Quando o outro se decide a favor de um ponto, é cabeça dura.
Quando você faz...  esta sendo firme.

Quando o outro não cumprimenta, é mascarado.
Quando você passa sem cumprimentar... é apenas distração.

Quando o outro fala sobre si mesmo, é egoísta.
Quando você fala...é  porque precisa desabafar.

Quando o outro se esforça para ser agradável, tem segundas intenções.
Quando você age assim... é gentil.

Quando o outro encara os dois lados do problema, está sendo fraco.
Quando você o faz... esta sendo compreensivo.

Quando o outro faz alguma coisa sem ordem, está se excedendo.
Quando você faz... é iniciativa.

Quando o outro progride, teve oportunidade.
Quando você progride... é fruto de muito trabalho.

Quando o outro luta por seus direitos, é teimoso.
Quando você o faz... é prova de caráter.


Condemn and praise signpost

 
Fonte: https://paginas.fe.up.pt/~fsilva/port/Espelho.htm

Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Defeito ou qualidade?


Percebo que atualmente existe uma certa confusão entre qualidades e defeitos. Algumas qualidades são classificadas como defeitos enquanto alguns defeitos propriamente ditos sequer são mencionados.

Trabalhar demais, ser sincero demais, ser perfeccionista se tornaram defeitos. Mas desde quando essas características são realmente defeitos?

E onde foram parar os defeitos de verdade?
Quem tem coragem de assumi-los? 
Quem de nós ter coragem de dizer que é preguiçoso, presunçoso, orgulhoso, mal-humorado, egoísta, afanador, desorganizado?

Vivemos em uma sociedade cada vez mais hipócrita e superficial.


E me pergunto: até quando?

Valores

Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Obsessão pelo melhor


Estamos obcecados com "o melhor".
Não sei quando foi que começou essa mania, mas hoje só queremos saber do
"melhor".
Tem que ser o melhor computador, o melhor carro, o melhor emprego, a melhor
dieta, a melhor operadora de celular, o melhor tênis, o melhor vinho. Bom
não basta!

O ideal é ter o top de linha, aquele que deixa os outros pra trás e que nos
distingue, nos faz sentir importantes, porque, afinal, estamos com "o
melhor".
Isso até que outro "melhor" apareça e é uma questão de dias ou de horas até
isso acontecer.

Novas marcas surgem a todo instante. Novas possibilidades também. E o que
era melhor, de repente, nos parece superado, modesto, aquém do que podemos
ter.

O que acontece, quando só queremos o melhor, é que passamos a viver
inquietos, numa espécie de insatisfação permanente, num eterno desassossego.
Não desfrutamos do que temos ou conquistamos, porque estamos de olho no que falta conquistar ou ter.

Cada comercial na TV nos convence de que merecemos ter mais do que temos.
Cada artigo que lemos nos faz imaginar que os outros (ah, os outros...)
estão vivendo melhor, comprando melhor, amando melhor, ganhando melhores salários.
Aí a gente não relaxa, porque tem que correr atrás, de preferência com o
melhor tênis.

Não que a gente deva se acomodar ou se contentar sempre com menos. Mas o
menos, às vezes, é mais do que suficiente.

Se não dirijo a 140, preciso realmente de um carro com tanta potência? Se
gosto do que faço no meu trabalho, tenho que subir na empresa e assumir o
cargo de chefia que vai me matar de estresse porque é o melhor cargo da empresa? E aquela TV de não sei quantas polegadas que acabou com o espaço do meu quarto?

O restaurante onde sinto saudades da comida de casa e vou porque tem o
"melhor chef"? Aquele xampu que usei durante anos tem que ser aposentado
porque agora existe um melhor e dez vezes mais caro? O cabeleireiro do meu bairro tem mesmo que ser trocado pelo "melhor cabeleireiro"?

Tenho pensado no quanto essa busca permanente do melhor tem nos deixados
ansiosos e nos impedido de desfrutar o "bom" que já temos.

A casa que é pequena, mas nos acolhe. O emprego que não paga tão bem, mas
nos enche de alegria. A TV que está velha, mas nunca deu defeito. O homem
que tem defeitos (como nós), mas nos faz mais felizes do que os homens
"perfeitos". As férias que não vão ser na Europa, porque o dinheiro não deu,
mas vai me dar à chance de estar perto de quem amo... O rosto que já não é
jovem, mas carrega as marcas das histórias que me constituem. O corpo que já
não é mais jovem, mas está vivo e sente prazer.

Será que a gente precisa mesmo de mais do que isso? Ou será que isso já é o
melhor e na busca do "melhor" a gente nem percebeu?

(Leila Ferreira - jornalista mineira com mestrado em Letras e doutora em Comunicação em Londres, que optou por viver uma vida mais simples em Belo Horizonte)


"Sofremos demais pelo pouco que nos falta e alegramo-nos pouco pelo muito que temos."
Shakespeare


Equilíbrio

Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos


sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Ilusão de óptica




Nota: Salvei essa imagem em meu computador há alguns anos e não tenho mais a fonte. Então, se você souber a página onde essa imagem está hospedada, por favor, deixe um comentário abaixo com o link para eu colocar os devidos créditos no post.
Obrigada!



terça-feira, 13 de agosto de 2013

Seja você mesmo

Be yourself

"Seja você mesmo. Ninguém pode dizer que você está fazendo isso errado."

Nota: Salvei essa imagem em meu computador há alguns anos e não tenho mais a fonte. Então, se você souber a página onde essa imagem está hospedada, por favor, deixe um comentário abaixo com o link para eu colocar os devidos créditos no post.
Obrigada!

terça-feira, 6 de agosto de 2013

O valioso tempo dos maduros


Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui
Para frente do que já vivi até agora.
Tenho muito mais passado do que futuro.


Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.
Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados.
Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram,
Cobiçando seus lugares, talentos e sorte.


Já não tenho tempo para conversas intermináveis,
Para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas que
Apesar da idade cronológica, são imaturos.


As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos.
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência.


Minha alma tem pressa,
Quero viver ao lado de gente humana, muito humana,
Que sabe rir de seus tropeços, que não se encanta com triunfos.


Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade.

O essencial faz a vida valer a pena.
E para mim, basta o essencial.


(Mário de Andrade)

Life Sandglass

Créditos da imagem: Sira Anamwong - Free Digital Photos
 

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Quando me amei de verdade


Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato.
E então, pude relaxar.
Hoje sei que isso tem nome… Auto-estima.

Quando me amei de verdade, pude perceber que minha angústia, meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra minhas verdades.
Hoje sei que isso é… Autenticidade.

Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento.
Hoje chamo isso de… Amadurecimento.

Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo.
Hoje sei que o nome disso é… Respeito.

Quando me amei de verdade comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável… Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início minha razão chamou essa atitude de egoísmo.
Hoje sei que se chama… Amor-próprio.


Felicidade

Quando me amei de verdade, deixei de temer o meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projetos megalômanos de futuro.
Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo.
Hoje sei que isso é… Simplicidade.

Quando me amei de verdade, desisti de querer sempre ter razão e, com isso, errei menos vezes.
Hoje descobri a… Humildade.

Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de me preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece.
Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é… Plenitude.

Quando me amei de verdade, percebi que minha mente pode me atormentar e me decepcionar.
Mas quando a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada.

Tudo isso é… saber viver.

(Kim McMillen
)

Créditos da imagem: Stuart Miles- Free Digital Photos

terça-feira, 23 de julho de 2013

Quando uma etapa chega ao fim


Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final...
 

Final


Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário,
perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos  viver.
 

Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos.
 

Não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os
momentos da vida que já se acabaram.
 


Deixou a casa dos pais? Partiu para viver em outro país?
 

A amizade tão longamente cultivada desapareceu sem explicações?
 

Você pode passar muito tempo se perguntando por que isso aconteceu....
 

Pode dizer para si mesmo que não dará mais um passo enquanto não
entender as razões que levaram certas coisas, que eram tão
importantes e sólidas em sua vida, serem subitamente transformadas
em pó. Mas tal atitude será um desgaste imenso para todos: seus
pais, seus amigos, seus filhos, seus irmãos, todos estarão
encerrando capítulos, virando a folha, seguindo adiante, e todos
sofrerão ao ver que você está parado.
 

Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem
mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco.
 

O que passou não voltará: não podemos ser eternamente meninos,
adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos
com os pais, amantes que revivem noite e dia uma ligação com quem já
foi embora e não tem a menor intenção de voltar.
 

As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente
possam ir embora...
 

Por isso é tão importante (por mais doloroso que seja!) destruir
recordações, mudar de casa, dar muitas coisas para orfanatos, vender
ou doar os livros que tem.
 


Tudo neste mundo visível é uma manifestação do mundo invisível, do
que está acontecendo em nosso coração... e o desfazer-se de certas
lembranças significa também abrir espaço para que outras tomem o seu  lugar.
 

Deixar ir embora. Soltar. Desprender-se.
 

Ninguém está jogando nesta vida com cartas marcadas, portanto às
vezes ganhamos, e às vezes perdemos.
 

Não espere que devolvam algo, não espere que reconheçam seu esforço,
que descubram seu gênio, que entendam seu amor. Pare de ligar sua
televisão emocional e assistir sempre ao mesmo programa, que mostra
como você sofreu com determinada perda: isso o estará apenas
envenenando, e nada mais.
 

Não há nada mais perigoso que rompimentos amorosos que não são
aceitos, promessas de emprego que não têm data marcada para começar,
decisões que sempre são adiadas em nome do "momento ideal".
 

Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: diga
a si mesmo que o que passou, jamais voltará!
 

Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo, sem
aquela pessoa - nada é insubstituível, um hábito não é uma  necessidade.
 

Pode parecer óbvio, pode mesmo ser difícil, mas é muito importante.
Encerrando ciclos. Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou
por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais
na sua vida.
 

Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de
ser quem era, e se transforme em quem é. Torna-te uma pessoa melhor
e assegura-te de que sabes bem quem és tu próprio, antes de
conheceres alguém e de esperares que ele veja quem tu és..
 


E lembra-te:
Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão.

(Fernando Pessoa)


Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos

terça-feira, 16 de julho de 2013

Prometa a si mesmo‏


Ser forte de maneira que nada possa perturbar a sua paz de espírito.

Falar de saúde, felicidade e prosperidade a toda pessoa que encontrar.


Fazer os seus amigos admitirem que há alguma coisa superior dentro deles.


Olhar para o lado glorioso de todas as coisas e fazer com que seu otimismo se torne uma realidade.


Pensar sempre no melhor, trabalhar sempre pelo melhor e esperar somente o melhor.


Esquecer os erros do passado e prepara-se para melhores realizações no futuro.


Ter tanto entusiasmo e interesse pelo sucesso alheio como pelo próprio.


Dedicar tanto tempo ao próprio aperfeiçoamento que não lhe sobre tempo para criticar os outros.


Ser grande na contrariedade, nobre na cólera, forte no temor e receber alegremente a provação.


Fazer um bom juízo de si mesmo e proclamar esse fato ao mundo, não em altas vozes, mas em grandes feitos.


Viver na certeza de que os outros estarão ao seu lado, enquanto lhes dedicar o que há dentro de si mesmo.


Sucesso



Fonte: http://www.racionalismo-cristao.org.br/gazeta/razao/sejaotim.html
Créditos da imagem: thaikrit - Free Digital Photos

 

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Os 10 mandamentos do otimismo


1- Hoje é o dia mais importante de sua vida. Não o sobrecarregue com lembranças dolorosas do ontem, nem com temores covardes do amanhã. Viva o dia de hoje com entusiasmo e harmonia.

2- Construa você mesmo sua vida. Não permita que opiniões e erros alheios o conduzam ao fracasso.

3- Irradie amor, carinho e simpatia. Não guarde seus tesouros espirituais, pois, quanto mais alegria e amor espalhares, mais feliz será.

4- Não espere pelos outros. Tua grande fonte de energia está em ti mesmo, se souberes utilizá-la verás quanto já és próspero e forte.

5- Seja pontual, sincero e exigente consigo mesmo. Quem não disciplina, desperdiça tesouros de energia física e mental, acabando por destruir-se, lembre-se que o tempo deve ser usado com sabedoria.

6- Cuide de teu corpo e de tua mente, conservando ambos sadios. Como os males de um se refletirão no outro, os dois merecem, por igual, teu cuidado. Alimente sua mente, com pensamentos positivos e saudáveis para que seja refletido em teu corpo.

7- Tenha paciência. Jamais duvide da continuidade da vida e de que a vitória pertence aos que sabem esperar o momento certo para agir. Não tenha pressa, tudo tem seu tempo.

8- Fuja da extravagancia e do desperdício. Os dois são próprios dos desequilibrados – e o equilíbrio na vida é um bem inestimável.

9- Faça diariamente uma avaliação de tua vida. Veja o que realmente deve dar importância, se não estás desperdiçando seu tempo com coisas inúteis como preconceitos e ressentimentos, pois tudo gira em torno da paz e harmonia.

10- Ao tomar uma decisão consciente e livre, jamais te afaste dela. Seja seguro em suas decisões. Saber querer é a base para vencer.  



Com otimismo tudo se resolve!

Felicidade



Fonte: http://www.sitecontabil.com.br/dicas_marketing/dica9.htm
Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos

 

terça-feira, 2 de julho de 2013

Algumas reflexões

Temos dois ouvidos e apenas uma língua, para podermos ouvir mais e falar menos.
Diógenes

Muita gente obteria sucesso em pequenas coisas, se não estivesse preocupada com grandes ambições.
Longfellow

Há três coisas que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida.

Provérbio Chinês
 

Nunca deixe que as tristezas do passado e as incertezas do futuro estraguem as alegrias do presente.
Desconhecido

Pensamento


Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos

sexta-feira, 28 de junho de 2013

A maior necessidade do mundo


Integridade
A maior necessidade do mundo é a de homens
que não se compram nem se vendam.

Homens que no íntimo da alma sejam verdadeiros e honestos.

Homens que não temam chamar o pecado pelo seu nome exato.

Homens cuja consciência seja tão fiel ao dever como a bússola o é ao polo.

Homens que permaneçam firmes pelo que é reto, ainda que caiam os céus.

(Ellen G. White)

Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos

terça-feira, 25 de junho de 2013

O que é status?


Compras


Status é comprar coisas que você não quer
com o dinheiro que você não tem
a fim de mostrar para quem você não gosta
uma pessoa que você não é.
(Geraldo Eustáquio de Souza)







Créditos da imagem: sattva - Free Digital Photos

  

domingo, 23 de junho de 2013

Ganhar ou perder tempo?


Tempo
Geralmente as pessoas têm a sensação de perder tempo quando não conseguem fazer as coisas da maneira que consideram ser a mais rápida possível.

Mas quando ganham tempo acabam matando-o com coisas inúteis - a lista é longa e a maioria de nós tem a sua própria.

Que tal mudar isso?
Por experiência própria, sei que dessa forma sobrará tempo para fazer as coisas que são realmente importantes.
É preciso muita disciplina, foco, determinação e perseverança, mas os resultados mostram que o esforço vale a pena.
Ainda estou no começo dessa jornada e os frutos colhidos tem sido muito bons e animadores.

Como minha avó dizia: "Somos nós que fazemos o nosso tempo".
Demorei muito para entender isso. 
Pena que ela já não esteja mais aqui para eu dizer: "A senhora tinha razão".


 
Créditos da imagem: digitalart - Free Digital Photos



terça-feira, 18 de junho de 2013

Um dia você aprende


Ciclista
Depois de algum tempo, você aprende a diferença, a sutil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma.

E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança.

E começa a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas.
 

E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança.

E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.


Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo.

E aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam...

E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la, por isso.

Aprende que falar pode aliviar dores emocionais.

Descobre que se levam anos para se construir confiança e apenas segundos para destrui-la, e que você pode fazer coisas em um instante das quais se arrependerá pelo resto da vida.

Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias. E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida. E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.

Aprende que não temos que mudar de amigos se compreendemos que os amigos mudam, percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos.

Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa, por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas, pode ser a última vez que as vejamos.

Aprende que as circunstâncias e os ambientes tem influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos.

Começa a aprender que não se deve comparar com os outros, mas com o melhor que pode ser. Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto.

Aprende que não importa onde já chegou, mas onde está indo, mas se você não sabe para onde está indo, qualquer lugar serve.

Aprende que, ou você controla seus atos ou eles o controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.

Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as consequências.

Aprende que paciência requer muita prática.

Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute quando você cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se.

Aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou.

Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha.

Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens, poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.

Aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel.
 

Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame, não significa que esse alguém não o ama, contudo o que pode, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso.
 

Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes você tem que aprender a perdoar-se a si mesmo.

Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado.

Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não para para que você o conserte.
 

Aprende que o tempo não é algo que possa voltar para trás.


Portanto... plante seu jardim e decore sua alma, ao invés de esperar que alguém lhe traga flores.

E você aprende que realmente pode suportar... que realmente é forte, e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais.

E que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida!

(William Shakespeare)


Créditos da imagem: arztsamui - Free Digital Photos