terça-feira, 24 de setembro de 2013

O último abraço


Tenho quase certeza de que você não se lembra do primeiro abraço que ganhou na vida.
De quem será que foi? De seu pai? De sua mãe? De um de seus avós?
 

Mas do último abraço nunca nos esqueceremos...

Todos sabemos que devemos valorizar os momentos com as pessoas que são importantes para nós. Mas quem realmente faz isso de verdade?
 

O tempo entre o início e o fim da vida passa velozmente, embora muitas vezes não tenhamos consciência disso. 
E algumas vezes, quando nos damos conta já é tarde demais.

Por isso, não deixe de aproveitar hoje os bons momentos com as pessoas que você ama.
E que tal abraçá-las de forma tão profunda, sincera e intensa como raramente costumamos fazer?


Minha avó costumava me abraçar assim. E apesar de ela ter falecido há 17 anos, nunca me esqueci de seu último abraço...



Life Sandglass


Créditos da imagem: Sira Anamwong - Free Digital Photos

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Lições de bichos e coisas


Tenho inveja das plantas e dos animais.
Parecem-me tão tranquilos, possuidores de uma sabedoria que nós não temos. Como se desfrutassem da felicidade do Paraíso.
 

Sofrem, pois não existe vida sem sofrimento. Mas sofrem sempre como se deve, quando o sofrimento vem, na hora certa, e não por antecipação.
Saber sofrer é uma lição difícil de aprender.


Little dog

Se um terrível golpe nos golpeia e não sofremos, algo está errado. Pois como não chorar, se o destino nos faz sangrar?

Se não choramos é porque o coração está doente, perdeu a capacidade de sentir.
Mas sofrer fora de hora é doença também, permitir-se ser cortado por golpes que ainda não aconteceram e que só existem como fantasmas da imaginação.

Os animais sabem sofrer. Nós não.

Somos prisioneiros da ansiedade.
Pois ansiedade é isto: sofrer fora de hora, por um golpe que, por enquanto, só existe no futuro que imaginamos.

(Rubem Alves)


Créditos da imagem: patrisyu - Free Digital Photos