terça-feira, 29 de outubro de 2013

Seguir adiante


Encontrei essa frase em um folheto e achei interessante:

"O homem que decide parar e esperar que as coisas melhorem, verificará mais tarde que aquele que não parou e seguiu adiante está tão longe que jamais será alcançado."

Acho que isso é válido para muitas áreas de nossas vidas e gostaria de destacar duas: a financeira e a profissional.

Na financeira, quanto mais cedo você tiver consciência da importância de poupar uma parte de seus rendimentos e investí-los, mais fácil será tornar isso um hábito para toda a vida. 
E lá na frente, você verá o quanto esse hábito fez toda a diferença.

Na profissional, o fator idade tem grande importância. Atualmente, pessoas com 35, 40 anos já são consideradas "velhas" para o mercado. Então nada melhor do que começar cedo, pois dessa forma as chances de sucesso serão bem maiores.

É como diz o velho ditado:  
"Nunca deixe para amanhã o que você pode fazer hoje."

Sucesso
Créditos da imagem: thaikrit - Free Digital Photos


terça-feira, 22 de outubro de 2013

Reflexão sobre a fraqueza

Hoje, se estou me sentindo vazio ou frustrado, não acusarei ninguém senão a mim mesmo.
 
Quando não mais encontramos satisfação em nossas mais acalentadas crenças e começamos a duvidar de nossas costumeiras reações e opiniões, estamos prontos para iniciar uma nova vida.
 
Muitos de nós, contudo, encaramos esse momento decisivo em nossa vida como um sinal de “fraqueza”.
 
Desgostosos de nós mesmos, muitas vezes disfarçamos nosso vazio pondo a culpa em membros da família, uma infância miserável, empregos, políticos corruptos, má saúde ou péssimas amizades.
 
Todavia, a verdadeira carência está dentro de nós mesmos não em qualquer outra pessoa, circunstância externa ou instituições.
 
Quando admitimos essa carência e tomamos as medidas necessárias para atendê-la com novas ideias e atitudes, passamos a ver que nossas maiores “fraquezas” são as avenidas que nos levam a um maior crescimento interior, felicidade e serenidade.

Broken Link


Fonte do texto: minutodesabedoria.com.br
Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos 

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Simplicidade


Há alguns dias eu vi um homem dirigindo seu carro, que calculo ter entre 15 a 20 anos de uso.
O que me chamou a atenção é que, apesar de ser um dia de semana em uma cidade cada vez mais caótica como São Paulo, ele tinha um semblante calmo. E sorria, ao mesmo tempo em que conversava. Como estava sozinho, pensei que estivesse conversando em um telefone celular.

Mas não.

No banco de trás, havia um cachorro, muito tranquilo e à vontade dentro do automóvel.

A leveza e a simplicidade da cena me impressionaram de alguma forma.

Muitas vezes acreditamos ou somos influenciados pela mídia a acreditar que precisamos de muitas coisas materiais - novas, de preferência - para sermos felizes.

Mas será que precisamos mesmo?

Fica a pergunta para reflexão.


Dog


Créditos da imagem: tuelekza - Free Digital Photos

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Koyaanisqatsi - vida fora de equilíbrio


Aproveitando o post da semana anterior, hoje resolvi postar um video que considero muito bom. Vale a pena ver até o final.
É um trecho do filme Koyaanisqatsi, Life out of balance (vida fora de equilíbrio), um filme-documentário de 1982.

Repare nas fisionomias das pessoas que estão nas ruas e nos carros.
Semblantes felizes? Tristes?  
Vazios? Inexpressivos? 
Ansiosos? Calmos?
Indiferentes? Indecifráveis?

Eu fico pensando:
O que temos feito para que a situação apresentada no filme melhore? 
Ou piore?

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Dignidade

 
Um dia, um jovem na floresta perguntou ao fogo:
- Se eu te perder, onde posso te achar?
O fogo respondeu:
- Olhe para o alto e para as montanhas e você me achará.

O jovem também perguntou para a água:
- Se eu te perder, onde posso te achar?
A água respondeu:
- Olhe pela floresta, nas árvores, nas folhas e onde encontrar uma gota de orvalho, eu estarei lá.

O jovem perguntou também para dignidade:
- Se eu te perder, onde posso te achar?
Ela respondeu:
- Lute muito, jovem, para não me perder, porque o dia que me perder, jamais me achará.


(Autor desconhecido) 

Equilíbrio

Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos