segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Um irmão como esse


Um amigo meu chamado Paul ganhou um automóvel de presente de seu irmão no natal. 
Na noite de natal, quando Paul saiu de seu escritório, um menino de rua estava andando em volta do reluzente carro novo, admirando-o.
-Este carro é seu senhor? - ele perguntou.
Paul assentiu.
-Meu irmão me deu de Natal.
O garoto ficou boquiaberto.
-Quer dizer que foi um presente de seu irmão e não lhe custou nada? Rapaz, quem me dera! - hesitou ele.


É claro que Paul sabia o que ele ia desejar. Ele ia desejar ter um irmão como aquele. Mas o que o garoto disse chocou Paul tão completamente que o desarmou.
-Quem me dera -continuou o garoto - Ser um irmão como esse!


Paul olhou o garoto com espanto, e então, impulsivamente, acrescentou:
-Você gostaria de dar uma volta no meu automóvel?
-Oh!, Sim eu adoraria.
Depois de uma voltinha, o garoto virou-se e, com os olhos incandescentes, disse:
-O senhor se importa de passa em frente à minha casa?


Paul deu um leve sorriso. Pensou que soubesse o que o rapaz queria. Ele queria mostrar aos vizinhos que podia chegar em casa num carrão. Mas, Paul estavaa novamente enganado.

- Pode parar em frente àqueles dois degraus? - perguntou o garoto.
Ele subiu correndo os degraus. Então, passados alguns momentos, Paul ouviu-o retornar, mas ele não vinha depressa. Carregava seu irmãozinho paralítico. 
Sentou-o no degrau inferior e depois como que o abraçou fortemente e apontou para o carro.
- Aí está ele, amigão, exatamente como eu te contei lá em cima. O irmão deu o carro a ele de presente de Natal e não lhe custou um centavo. E algum dia eu vou te dar igualzinho... então, você poderá ver com seus próprios olhos, nas vitrines de natal, todas as coisas bonitas sobre as quais eu venho tentando te contar.
 

Paul saiu do carro e colocou o rapaz no banco da frente.
O irmão mais velho, com os olhos brilhando, entrou atrás dele e os três deram uma volta comemorativa.
 

Naquela noite de natal, Paul aprendeu o que Jesus queria dizer quando mencionava:
"Mais bem-aventurado é dar que receber." Atos 20:35


Fonte: Meditações do pôr do sol 2006


terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Natal


Natal.
Árvores iluminadas, luzes intermitentes, portas enfeitadas, cartões, compras, agitação nas ruas e supermercados, comida e bebida, augúrios, programas especiais e festas - mais uma vez, o mesmo ritual.
No dia seguinte, a ressaca: problemas digestivos e indisposição decorrentes da glutonaria e a tristeza na cabecinha das crianças pobres, por não terem sido contempladas com os finos presentes que a garotada da classe A recebeu.

Natal.
Através do mundo, gestos inadmissíveis: interrompe-se a guerra durante algumas horas, para depois ela ressurgir mais cruenta e ignóbil. Trocam-se abraços e sorrisos - até beijos - formais, seguidos da rotina de sempre: hipocrisia, ressentimento político, ódio e preconceito.

A coisa mais nefanda, por ocasião do Natal, é a esperteza. 
Usa-se o Natal como estratégia de venda, de marketing, de diplomacia, de aproximação. O Natal tornou-se um produto descartável. Usa-se e depois se joga fora. O caminhão de lixo vem e leva tudo par o montão do nada.

O verdadeiro Presente fica a um canto, sem nenhuma virtude prática. É apenas um pretexto dentro do contexto humano de imediatismo fútil, passageiro.

Deixemos de usar o Natal para atender aos reclamos da glutonaria e dos ajuntamentos sociais inconsequentes.
Deixemos de ir na onda da publicidade geradora de autômatos.

(Rubens Lessa - trechos de um texto publicado em 1989)



terça-feira, 9 de dezembro de 2014

O milagre da canção de um irmão


Talvez você conheça essa história. Talvez não....

Como qualquer mãe, quando Karen soube que um bebê estava a caminho, fez todo o possível para ajudar o seu outro filho, Michael, com três anos de idade, a se preparar para a chegada. Os exames mostraram que era uma menina, e todos os dias Michael cantava perto da barriga de sua mãe. Ele já amava a sua irmãzinha antes mesmo dela nascer. A gravidez se desenvolveu normalmente.
No tempo certo, vieram as contrações. Primeiro, a cada cinco minutos;depois a cada três; então, a cada minuto uma contração.
Entretanto, surgiram algumas complicações e o trabalho de parto de Karen demorou horas.

Todos discutiam a necessidade provável de uma cesariana. Até que, enfim, depois de muito tempo, a irmãzinha de Michael nasceu. Só que ela estava muito mal. Com a sirene no último volume, a ambulância levou a recém-nascida para a UTI neonatal do Hospital Saint Mary. Os dias passaram. A menininha piorava. O médico disse aos pais: "Preparem-se para o pior. Há poucas esperanças".

Karen e seu marido começaram, então, os preparativos para o funeral.
Alguns dias atrás estavam arrumando o quarto para esperar pelo novo bebê. Hoje, os planos eram outros.

Enquanto isso, Michael todos os dias pedia aos pais que o levassem para conhecer a sua irmãzinha. "Eu quero cantar pra ela", ele dizia. A segunda semana de UTI entrou e esperava-se que o bebê não sobrevivesse até o final dela. Michael continuava insistindo com seus pais para que o deixassem cantar para sua irmã, mas crianças não eram permitidas na UTI. Entretanto, Karen decidiu. Ela levaria Michael ao hospital de qualquer jeito. Ele ainda não tinha visto a irmã e, se não fosse hoje, talvez não a visse viva. Ela vestiu Michael com uma roupa um pouco maior, para disfarçar a idade, e rumou para o hospital. A enfermeira não permitiu que ele entrasse e exigiu que ela o retirasse dali. Mas Karen insistiu: "Ele não irá embora até que veja a sua irmãzinha!"

Ela levou Michael até a incubadora. Ele olhou para aquela trouxinha de gente que perdia a batalha pela vida. Depois de alguns segundos olhando, ele começou a cantar, com sua voz pequenininha: "Você é o meu sol, o meu único sol. Você me deixa feliz mesmo quando o céu está escuro..." Nesse momento, o bebê pareceu reagir. A pulsação começou a baixar e se estabilizou. Karen encorajou Michael a continuar cantando. "Você não sabe, querida, quanto eu te amo. Por favor, não leve o meu sol embora..." Enquanto Michael cantava, a respiração difícil do bebe foi se tornando suave. "Continue, querido!", pediu Karen, emocionada.
"Outra noite, querida, eu sonhei que você estava em meus braços..." O bebê começou a relaxar. "Cante mais um pouco, Michael." A enfermeira começou a chorar. "Você é o meu sol, o meu único sol. Você me deixa feliz mesmo quando o céu está escuro...Por favor, não leve o meu sol embora..."

No dia seguinte, a irmã de Michael já tinha se recuperado e em poucos dias foi para casa.

O Woman's Day Magazine chamou essa história de "O milagre da canção de um irmão". 

Os médicos chamaram simplesmente de milagre. 
Karen chamou de milagre do amor de Deus.

Fonte: Arquivo Adventista


sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

terça-feira, 25 de novembro de 2014

O poder do exemplo 2


Em uma de suas palestras para executivos, Paulo Kretly usou a seguinte didática: quando ele contasse até três, era para a plateia bater palmas.
Simples, não?
Talvez nem tanto...

Quando ele dizia “Um”, batia palmas e as pessoas o seguiam, batendo palmas também.
Mas tem algo errado, não era para a plateia bater palmas quando a contagem chegasse no três?

Esse exercício foi feito diversas vezes e em todas elas, as palmas eram batidas no mesmo momento, ou seja, ninguém aguardava a contagem até três, pois todos seguiam o exemplo do palestrante.
Paulo Kretly quis ilustrar através dessa dinâmica a importância e a grande influência do exemplo em nossas vidas.

Será que nossos exemplos têm inspirado e influenciado as pessoas de forma positiva ou negativa?

Encerro com uma frase que talvez você conheça:
“Suas ações falam tão alto que não consigo te ouvir.”


terça-feira, 11 de novembro de 2014

O poder do exemplo



Muitas vezes achamos que nossos exemplos são irrelevantes, e que são nossas palavras que contam de verdade.
Gosto muito dessa ilustração sobre o assunto:

Certa vez uma mulher foi com seu filho até o Dalai Lama, a fim de que ele orientasse o garoto a não comer mais açúcar, pois estava fazendo muito mal saúde do menino.
Ao chegar lá, ela expôs seu pedido. 
Dalai Lama disse para a mãe do garoto voltar dali a uma semana. 

Voltaram depois de uma semana, e novamente a mulher pediu que Dalai Lama falasse com o menino.
Então ele olhou para o garoto e disse:
- Não coma mais açúcar!

E pronto, despediu-se dos dois, mas a mãe com ar de indignada perguntou o motivo de demorar uma semana para dizer apenas aquilo.
Então Dalai Lama disse-lhe:
- Porque há uma semana eu também comia açúcar.




terça-feira, 4 de novembro de 2014

Ter e possuir


Essa é uma daquelas frases que considero completas: muita sabedoria em poucas palavras.


A vida é uma constante oscilação entre a ânsia de ter e o tédio de possuir.
(Schopenhauer)




Boa semana!

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Um dia de cada vez


Quando um dia termina, na maioria das vezes não atentamos para o fato de que nos despedimos dele para sempre. Não é um simples “até logo”. É um “adeus” de verdade.
 

Mais um dia se foi...
Um dia a menos para o fim de nossas vidas. Já pensou nisso?
Sei que esse pensamento causa certo desconforto, mas se essa consciência for utilizada com sabedoria, pode ser muito útil na reflexão sobre o que temos feito com nossos dias.

Quantos dias temos perdido alimentando sentimentos como raiva, decepção e tristeza?
Quantos dias perdemos deixando para fazer depois o que poderia ser feito agora, alimentando ainda mais o nosso velho hábito de procrastinar?
E com isso, os dias passam, passam e passam...
 

E de repente, os dias viraram semanas; as semanas, meses; os meses, anos; os anos, décadas.
E então, olhando para trás, com certa tristeza e frustração, pensamos: “Como o tempo passou rápido!”
Será que se soubéssemos viver um dia de cada vez, com responsabilidade e fazendo o que deve ser feito no momento adequado, pensaríamos dessa forma?

Encerro com um versículo que gosto muito:
“Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.”
(Mateus 6:34)



Até a próxima!



terça-feira, 21 de outubro de 2014

PDCA – você conhece?


Esse é um método utilizado pelas empresas, mas acredito que também seja útil para aplicarmos em nossa vida pessoal.

PDCA =   

Plan (Planejar), Do (Fazer), Check (Verificar), Act (Agir).

Primeiro passo: planejar
Sem planejamento, a chance de alcançarmos nossos objetivos é remota. É preciso pesquisar, estudar as opções e após isso, escolher o caminho a ser seguido.


Segundo passo: fazer
Após o planejamento, é hora de colocar em prática os passos previamente elaborados.


Terceiro passo: verificar
Agora é o momento de ver se o planejamento e a ação executada estão de acordo com os objetivos, se estão realmente te fazendo chegar cada vez mais perto deles.


Quarto passo: agir e corrigir
O planejamento, a execução e a verificação deixaram lacunas ou não estão satisfatórios?
Então é hora de fazer as correções necessárias desde o primeiro passo e recomeçar, com as devidas alterações.

Não deu certo mais uma vez? Volte ao início e repita o ciclo com as novas correções.
E a cada correção feita, mais perto do objetivo você estará.



Nesse site tem um video bem didático sobre o assunto, vale a pena ver!
Pílulas da Qualidade - PDCA


Que tal colocar essas dicas em prática na sua vida?


Boa sorte!



terça-feira, 14 de outubro de 2014

Uma grande reflexão


"Se as derrotas não fizerem um homem cair, dê-lhe muito sucesso, que, embriagado com ele, cairá."
(O colecionador de lágrimas - Augusto Cury)

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Qual é a sua escolha?

Certo funcionário de uma empresa foi chamado um dia ao gabinete do dono.

Sem meias palavras, o homem foi direto ao assunto:
- Estamos reestruturando a empresa e precisamos de uma pessoa exatamente do seu tipo para ocupar uma importante gerência, analisamos a sua ficha e vimos que só há um problema com você: você é crente e o cargo é incompatível com a sua fé, de modo que você terá que fazer uma opção entre a promoção no emprego e sua religião, mas você não precisa responder agora, vá para casa, hoje é sexta-feira, pense, e na segunda nos diga o que foi que decidiu.

Nosso irmão foi para casa envolto no manto da dúvida e naquele final de semana seu coração virou campo de batalha entre o certo e o errado.

Na segunda-feira, lá estava ele na empresa, já ansioso por encontrar-se com o dono, que perguntou-lhe:
- E aí? Qual é a sua decisão?
- Acho que vou aceitar a proposta que me fez.

O patrão nem levantou a cabeça:
- Então, vá imediatamente ao Departamento de Pessoal. Você está despedido!
- Mas... patrão, foi o senhor mesmo que me fez a proposta!
- Sim, mas, na verdade estou procurando alguém de absoluta confiança para ocupar este cargo, se você foi capaz de tão rapidamente trair a sua consciência religiosa, quem me assegura que mais rapidamente ainda não trairá a empresa?

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Um pequeno grande pensamento



Os políticos e as fraldas devem ser trocados frequentemente e pela mesma razão.
(Eça de Queiróz)

Tempo de mudar


Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos


quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Mundo virtual - reflexão


Pessoas
Pegar trem é perceber que as pessoas estão cada vez mais conectadas na internet, no celular.
Muitos não se dão conta de que existe um mundo de cores, sol  brilhando pela janela, vento batendo para todos os lados.
As pessoas estão cada vez mais desligadas umas das outras, não percebem que a tecnologia e a correria estão afastando uns dos outros.
Cadê o 'bom dia'? 
Cadê o 'obrigado'?
Desculpa, não dá! 
Estou conectado no celular, que acabei de comprar em 10 vezes. Sou mais um desligado nesse mundo virtual.

Fonte: Jornal Metro - 26/07/2012 

Créditos da imagem: xedos4 - Free Digital Photos

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Os dois cães


Certa vez um sábio falou para um amigo:
-Dentro de mim há dois cães, um muito cruel e outro muito bom. Esses dois cães vivem brigando.

O amigo do sábio perguntou:
-E qual dos dois vencerá essa briga?

E o sábio respondeu:
- O que eu alimentar.


New life or old life
Texto: provérbio indígena
Créditos da imagem: mrpuen - Free Digital Photos

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Vida e morte


No fundo, lá no fundo ou talvez nem tanto, a morte assusta a todos nós.
Esse é mais um motivo para vivermos o momento presente de verdade, em toda a sua plenitude e com toda a intensidade que pudermos.
Deixemos o passado no passado e o futuro no futuro, sempre fazendo a nossa parte, o nosso melhor e esperando dias melhores, mas sem nos tornarmos escravos do nosso ego, de nossas expectativas, ansiedades, remorsos e tristezas. E principalmente, sem nos tornarmos escravos das expectativas dos outros.


Yesterday, now and tomorrow signpost

Como está escrito:
Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu próprio mal.
(Mateus 6:34)


Talvez a maioria de vocês conheça essa lenda árabe. Ela ilustra muito bem o quadro de desespero e angústia das pessoas diante da realidade da morte.

Certa vez um mercador de Bagdá mandou seu servo ao mercado comprar provisões. 

Pouco depois, o servo voltou, branco e trêmulo. Disse: 
- Mestre, agora mesmo, quando estava no mercado, fui empurrado por uma mulher no meio da multidão e ao me virar vi que fora a Morte quem me empurrara. Ela me olhou e fez um gesto ameaçador. Agora me empreste o seu cavalo, vou cavalgar para bem longe desta cidade, a fim de evitar meu destino. Irei a Samarra, lá a Morte certamente não me encontrará”.

O mercador emprestou-lhe seu cavalo. 

O servo montou, enfiou as esporas nos flancos do animal e, tão rápido quanto este conseguia galopar, se foi. 
Então o mercador foi até o mercado, viu a morte em pé no meio da multidão, seguiu até ela e disse: 
- Por que você fez um gesto ameaçador para o meu servo, quando o viu pela manhã?
- Não fiz nenhum gesto ameaçador - respondeu a morte. Foi uma reação de surpresa. Fiquei atônita ao vê-lo aqui em Bagdá, já que tenho um encontro marcado com ele hoje à noite noite em Samarra.



E então: o que estamos esperando para viver plena e conscientemente cada segundo, cada minuto, cada momento, a ponto de podermos um dia olhar para trás e ficar satisfeitos com a vida que tivemos?


Fonte da lenda árabe: https://lucynthesky.wordpress.com/2010/03/08/encontro-em-samarra-2/
Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos 




terça-feira, 2 de setembro de 2014

Mãe coruja


Amor
Essa é uma daquelas historinhas que nos trazem uma grande lição...

Mamãe coruja e o gavião fizeram um trato: ela não mexeria no ninho dele, e ele não mexeria no ninho dela.
O gavião disse à coruja:
- Meu ninho é aquele no topo da montanha. E os seus filhotes, quais são?
- Os meus filhotes são os mais lindos da floresta – respondeu a coruja, toda orgulhosa.
Tudo combinado: a coruja não chegava perto do ninho do gavião, e ele tinha todo cuidado para não comer os filhotes mais belos da floresta.
Um dia, caçando filhotes para comer, o gavião falou:
- Esses são horríveis, não podem ser filhotes da coruja. Vou comê-los.        

Assim que bicou o primeiro horrorzinho, chegou a coruja, gritando desesperada:
- Seu gavião malvado! Bastou a fome apertar para o senhor esquecer nosso trato!
O gavião sem graça tentou explicar:

- Mas, coruja, não é possível! Os seus filhotes não são os mais bonitos? Esses aqui são feios de dar dó...
- O quê? Os seus é que são medonhos! - respondeu a coruja. - Os meus filhotes são lindos!
O gavião então entendeu: as mães acham seus filhos bonitos, mesmo que não sejam, porque elas os veem com os olhos do coração.


Fonte do texto: http://sugestoescolaresdiversas.blogspot.com.br/2010/11/texto-com-interpretacao-mamae-coruja.html
Créditos da imagem: kdshutterman - Free Digital Photos

terça-feira, 26 de agosto de 2014

A revisão semanal



Mudança
Conforme prometido na semana passada, compartilho com vocês uma dica prática, extraída da metodologia GTD (Getting things done - Fazendo as coisas acontecerem, em uma tradução livre), postada no excelente site Valores Reais.

Assim como a Regra dos 2 minutos já postada aqui no blog, David Allen, um dos criadores dessa metodologia, enfatiza a importância de ser criar o hábito da revisão semanal, de forma a torná-la rotineira em nossa vida. Não vou dizer que é fácil, mas como disciplina, perseverança, força de vontade e determinação, tudo ficará mais agradável e ameno.

Basicamente essa revisão é uma maneira de refletirmos sobre nossas ações, se elas estão alinhadas de forma eficaz com nossos objetivos. Dessa forma, além de ter mais consciência sobre si mesmo e mais controle sobre as coisas no momento presente, você terá uma visão mais clara do que está funcionando e do que não está e assim será mais fácil fazer os desvios e ajustes necessários para que a rota pela qual segue realmente o leve a conquistar seus objetivos.

Encerro esse artigo com uma brilhante frase do Guilherme, do Valores Reais sobre o assunto:

"O valor das metas futuras não reside na imagem do futuro que se cria na mente, mas sim na mudança que elas provocam no presente."

 
Espero que tenham gostado.
Até a próxima semana!



Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Sonhos e realidade


Todos temos sonhos, projetos e metas. E muitas vezes, ou na maioria delas, não conseguimos concretizá-los pelos mais variados motivos. Arrisco dizer que um dos fatores para as coisas não deslancharem é por termos em nossa mente a imagem muito clara de onde queremos estar no futuro, mas essas imagens apenas ficam lá, como se fizessem parte de um quadro estático. Acreditamos que não precisamos fazer muito, ou nada, para que nossos objetivos se concretizem, pois o futuro se resolverá por si mesmo e o que tiver que acontecer, de uma forma ou de outra, acontecerá.
Construindo

Talvez essa nossa crença esteja relacionada com nosso próprio conformismo, com alguns livros de autoajuda, com os filmes e romances com finais felizes e também com interpretações equivocadas de textos bíblicos, como o famoso "Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á." (Lucas 11:9).
Eu creio na Bíblia como a palavra de Deus, mas nesse caso não está escrito que devemos pedir o que quer que seja e esperar sentados, sem tomar nenhuma atitude.

Assim como o nosso presente é resultado do nosso passado, nosso futuro é resultado de nossas ações no momento presente.

Pense nisso, e quando vier à sua mente o pensamento de que não é necessário esforço, foco e disciplina, lembre-se de que hoje você vive o resultado das escolhas que fez ontem.

Na próxima semana postarei uma dica prática sobre o assunto.

Até lá!

Créditos da imagem: Srenjith krishnan - Free Digital Photos

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Uma pequena reflexão


O cientista escala as montanhas da ignorância e, quando se aproxima da rocha mais alta, prestes a conquistar o cume, é saudado pelos teólogos que lá já estavam há séculos.
(Robert Jastrow - astrofísico da NASA)


Natureza

Créditos da imagem: digidreamgrafix - Free Digital Photos

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Servir



Help
Toda a natureza é um desejo de serviço.
Serve a nuvem, serve o vento, servem os vales

Onde haja uma árvore para plantar, planta-a tu.
Onde haja um erro para emendar, emenda-o tu.
 

Sê aquele que afasta a pedra do caminho,
O ódio dos corações e as dificuldades do caminho

Existe a alegria de ser bom e o prazer de ser justo.
Existe, sobretudo o sublime, a imensa alegria de servir.


Como seria triste o mundo se tudo já tivesse feito;
Se não houvesse um roseiral para plantar,

Uma empresa que iniciar.
 

Que não te atraiam somente os trabalhos fáceis.
É tão belo fazer uma tarefa que os outros recusam!
 

Mas não caias no erro de que só se conquistam mérito
Com os grandes trabalhos.
Há pequenos serviços que são imensos serviços: adornar a mesa,
arrumar as cadeiras, espanar o pó.
O serviço não é só de seres inferiores.
 

Deus que dá o fruto e a luz, é o primeiro a servir.
Poder-se-ia chamá-Lo assim: SERVIDOR.

E Ele, que tem os olhos em nossas mãos,
nos pergunta todo dia: "Servistes hoje? A quem?
A árvore, ao teu amigo ou aos teus familiares?"
(Gabriela Mistral)


Créditos da imagem: David Castillo Dominici - Free Digital Photos
 

terça-feira, 29 de julho de 2014

Você conhece a regra dos dois minutos?


Essa é uma das regras mais úteis e eficazes que já conheci. É de fácil aplicação, bastando para isso um pouco de força de vontade para torná-la um hábito.
O princípio dessa regra é efetuar ações curtas no momento em que elas emergem ao nosso consciente, diminuindo assim o nosso velho, querido e acalentado hábito de procrastinar.

Ampulheta

Exemplo: ao levantar-se pela manhã deixar a cama desarrumada; almoçar e deixar a louça para lavar depois; não organizar a correspondência ou e-mails diários, que com o tempo se acumulam assustadoramente.
Muitas vezes chegamos à incoerência de preferir anotar a tarefa para fazer depois, sendo que se a tarefa fosse executada naquele momento, despenderia quase o mesmo tempo da anotação. Mais incoerente ainda é o fato de sempre encontrarmos justificativas para agirmos dessa forma...

Vale a pena seguir a regra dos dois minutos. Além de melhor aproveitamento do tempo, a satisfação por ter conseguido vencer a arte de procrastinar não tem preço.


Esse texto foi inspirado no artigo Dica de produtividade pessoal: a regra dos dois minutos [GTD], do blog Valores Reais.


Créditos da imagem: Sira Anamwong - Free Digital Photos


sexta-feira, 25 de julho de 2014

Crise existencial - Ricardo Catalano no programa 180 graus


O testemunho um homem que nasceu em um lar abastado, que tinha tudo o que queria. Em sua família não se falava em religião e aos 7 anos ele sofreu muito com a separação dos pais. 
Na adolescência passou por uma intensa crise existencial. Vale a pena saber como ele deu a volta por cima.


terça-feira, 22 de julho de 2014

Seja feliz



Liberdade
 Eu gosto muito dos livros do Augusto Cury. E hoje  gostaria de compartilhar com você um excelente texto de sua autoria. 
Como ele sempre diz, a vida é um espetáculo imperdível. E humildemente eu gostaria de acrescentar: para os que sabem vivê-la de verdade.
 

Você pode ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não se esqueça de que sua vida é a maior empresa do mundo.
Só você pode evitar que ela vá à falência. Há muitas pessoas que precisam, admiram e torcem por você.

É importante que você sempre se lembre de que ser feliz não é ter um céu sem tempestades, caminhos sem acidentes, trabalhos sem fadigas, relacionamentos sem decepções.
Ser feliz é encontrar força no perdão, esperança nas batalhas, segurança no palco do medo, amor nos desencontros.

Ser feliz não é apenas valorizar o sorriso, mas refletir sobre a tristeza.
Não é apenas comemorar o sucesso, mas aprender lições nos fracassos.
Não é apenas ter júbilo nos aplausos, mas encontrar alegria no anonimato.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.

Ser feliz não é uma fatalidade do destino, mas uma conquista de quem sabe viajar para dentro do seu próprio ser.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar autor da própria história.
É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma.
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.

Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um não. É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.
É beijar os filhos, curtir os pais e ter momentos poéticos com os amigos, mesmo que eles nos magoem.
Ser feliz é deixar viver a criança livre, alegre e simples que mora dentro de você.

É ter maturidade para falar: Eu errei.
É ter ousadia para dizer: Perdoe-me.
É ter sensibilidade para confessar: Eu preciso de você.
Ser feliz é ter a capacidade de dizer: Eu amo você.

Desejo que a vida seja um canteiro de oportunidades para você...
Que nas suas primaveras você seja amante da alegria.
Que nos seus invernos seja amigo da sabedoria.
E, quando você errar o caminho, recomece tudo de novo.
Pois assim você será cada vez mais apaixonado pela vida.

E descobrirá que ser feliz não é ter uma vida perfeita, mas usar as lágrimas para irrigar a tolerância.
Aproveitar as perdas para refinar a paciência, as falhas para esculpir a serenidade.
Usar a dor para lapidar o prazer e os obstáculos para abrir as janelas da inteligência.

Jamais desista de si mesmo.
Jamais desista das pessoas que você ama.
Jamais desista de ser feliz pois a vida é um espetáculo imperdível.

(Augusto Cury) 

Créditos da imagem: markuso - Free Digital Photos

terça-feira, 15 de julho de 2014

15 de julho de 2014


Ampulheta
Hoje é dia 15 de julho de 2014, já estamos na metade do ano.
O que você fez de bom até agora? E de ruim?
Você viveu de verdade os dias do ano até agora? 
Ou melhor: quantos desses 195 dias você realmente viveu?
Se fizer um balanço desde o início do ano, o saldo será positivo ou negativo?

Como Dalai Lama disse, sempre é tempo de nos lembramos que:
Nossos pensamentos se transformam em palavras.
Nossas palavras se transformam em ações.

Nossas ações se transformam em hábitos.
Nossos hábitos moldam nosso caráter.
Nosso caráter molda o nosso destino.

Créditos da imagem: Sira Anamwong - Free Digital Photos

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Uma frase que dispensa apresentações


Ao invés da igreja evangelizar o mundo, o mundo está secularizando a igreja.
(autor desconhecido)




terça-feira, 8 de julho de 2014

Passado, presente e futuro


"Quem tem juízo colhe no tempo certo, mas quem dorme na época da colheita passa vergonha." Provérbios 10:5

Os livros escritos por Salomão são os meus preferidos da Bíblia, pois tem muita sabedoria sintetizada em poucas palavras. Hoje eu gostaria de comentar uma dessas preciosidades.

Muitas vezes deixamos para depois o que devemos fazer agora. E nos arrependemos. E ficamos mal por isso.
Muitos dos nossos amigos e conhecidos estão adiantados e nós... empacados.
Quantas vezes dormimos na época da colheita, que é quando mais acordados deveríamos estar? Acredito que isso resume tudo.
Águas passadas não movem moinhos, então de nada adianta lamentar o passado, mas sim aprender com nossos erros e tentar não repeti-los. Também devemos olhar para o futuro, mas sem exageros.
Nosso foco principal deve ser o momento presente, que é o único que temos. É dele que resultará o nosso futuro.

Gostei muito desse exercício postado no excelente blog Valores Reais

Olhe para os seus últimos 5 anos. Eles se transformaram no seu presente.
É esse realmente o presente que você queria? Você está onde realmente gostaria de estar agora?

Agora olhe para o seu futuro, daqui à 5 anos, em onde você quer estar. Ele depende do seu presente.
O que você tem feito para que seus objetivos sejam alcançados?
Nesse sentido, o seu passado também pode te dar muitas pistas e sugestões sobre o que fazer e o que não fazer.

O texto termina com uma magnífica frase, a qual transcrevo aqui:
Aja para retomar o controle de sua vida, e não simplesmente reaja para o que a vida lhe faça.


Liberdade

Créditos da imagem: markuso - Free Digital Photos 






terça-feira, 1 de julho de 2014

Título de capitalização é investimento?

 
Cofre
Provavelmente o seu gerente ou algum funcionário do banco já te ofereceu um título de capitalização. Ou vários.
Parece ser um produto tão bom. Você poupa, seu dinheiro rende juros e você ainda concorre à prêmios!
Mas eles "esquecem" de te falar que taxas são descontadas e no final, o que você conta como lucro acabou sendo prejuízo, exceto se você ganhar algum dos prêmios, o que é bem difícil de acontecer.

Eu comprei vários com pagamento único e mensal, sempre pensando mais nos prêmios. Durante uma época pelo menos um eu tinha, pois pensava: "Quem sabe eu dou sorte." Mas a "sorte" não veio... Ao todos, acho que tive uns 20 e nunca ganhei absolutamente nada.
Os últimos cancelei quando ainda faltavam quase 3 anos para o resgate, pois o que eu recebia  estava muito aquém de ser considerado um investimento de verdade.
Parece até que os juros funcionam ao contrário em tais títulos!
Um exemplo: por um título com pagamento único de R$ 50,00 e vigência de 4 anos, recebi menos de R$53,00!
Uma conta rápida: se esses mesmos R$50,00 estivessem em uma poupança com juros de 6% aa, que é o rendimento mínimo da antiga poupança, o valor atual seria de R$ 63,12.
E os bancos ainda tratam esse produto com investimento....


Gostaria de indicar um excelente e esclarecedor artigo sobre o assunto:
7 razões para não comprar um título de capitalização

Da próxima vez que o funcionário do banco te oferecer esse produto tão "vantajoso", saiba dizer um categórico "não, obrigado."
Atualmente, com tanta informação, os próprios funcionários sabem que muitos clientes estão cientes de que esse produto é uma verdadeira falácia e não insistem mais de forma tão inconveniente e voraz.



Falando em informação, gostaria de encerrar com uma frase que li recentemente, mas não me lembro em qual site.
"Se você acha que o conhecimento custa caro, experimente optar pela ignorância."



Até a próxima semana!

Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Argeu Lopes - um testemunho que fortalece a fé


O testemunho de um homem que seguia o formalismo religioso, mas que até então não havia tido um encontro com Deus. Até que um dia ele causou acidentalmente a morte de uma criança e algum tempo depois passou por um grave problema de saúde.
Vale muito a pena ver até o final.  É um daqueles testemunhos que fortalece a fé e a esperança.



terça-feira, 24 de junho de 2014

O que você fez de bom hoje?


Há algum tempo vi uma tabela com as tarefas diárias de Benjamim Franklin no artigo 8 valiosas lições extraídas da rotina diária de Benjamin Franklin no Valores Reais e fiquei pensando sobre o assunto, mais especificamente sobre dois pontos.


Pergunta da manhã: O que pretendo fazer de bom hoje?
Pergunta da noite: O que fiz de bom hoje?


Na correria do dia-a-dia, acredito que não damos muita atenção a coisas como essas.
Entretanto pequenos hábitos como esses, aparentemente insignificantes, são exatamente os que trazem mais significado e sentido para as nossas vidas.
Podem ser coisas bem triviais e simples, como ouvir alguém que naquele momento necessita conversar, ajudar um deficiente físico ou um idoso a atravessar a rua, deixar uma pessoa que está com muita pressa passar na sua frente na fila do supermercado. Já reparou como isso faz com que nos sintamos tão bem, por menor que seja a ação praticada?

Com o tempo, começaremos a sentir a necessidade de fazer coisas maiores, mas de início, coisas mais simples são melhores pois nos ajudarão a formar o hábito e a não desanimar diante das primeiras dificuldades.



E então: o que pretende fazer de bom hoje?


Construindo

 Créditos da imagem: renjith krishnan - Free Digital Photos

terça-feira, 17 de junho de 2014

Conta essencial - você sabe o que é?


Talvez você ache estranho o conteúdo desse artigo, mas acredito que simplicidade também tenha relação com o uso sábio do dinheiro.
Minha intenção é criar outros posts sobre esse assunto, os quais espero que sejam úteis à você, aos seus familiares e amigos.
Se você gostar, compartilhe com eles também!



Dinheiro


Há alguns anos o Banco Central criou um tipo de conta bancária na qual não há taxa de manutenção mensal. É apropriada para quem usa pouco os serviços bancários, conforme a lista abaixo:
- realização de até quatro saques, por mês, em guichê de caixa, inclusive por meio de cheque ou de cheque avulso, ou em terminal de autoatendimento;
- realização de até duas transferências de recursos entre contas na própria instituição, por mês, em guichê de caixa, em terminal de autoatendimento e/ou pela internet;
- fornecimento de até dois extratos, por mês, contendo a movimentação dos últimos 30 dias por meio de guichê de caixa e/ou terminal de autoatendimento;
- realização de consultas mediante utilização da internet;
- fornecimento de até dez folhas de cheques por mês, desde que o cliente reúna os requisitos necessários à utilização de cheques, conforme a regulamentação em vigor e condições pactuadas.
Fonte: Faq Tarifas - Banco Central

Obviamente esse tipo de conta nunca é divulgada pelos bancos, mas se você achou interessante e gostaria de mudar, basta procurar o seu gerente e solicitar a mudança. Talvez não seja uma tarefa muito fácil pois o que os bancos menos querem é diminuir a arrecadação. De qualquer forma, se o cliente solicitar, eles são obrigados a efetuar a mudança.
Antes disso, sugiro que dê uma olhada na norma referente ao assunto, no site do Banco Central através do link: 

Resolução 3919 do Banco Central 

Dessa forma ficará até mais fácil no momento em que for conversar com o gerente, pois ele saberá que você está por dentro do assunto e terá menos chances para enrolação. Sugiro também que você imprima as páginas 1 e 2 norma, que são referentes ao assunto conta corrente, pois assim ele não terá quase argumentos para tentar te convencer do contrário, pois uma das coisas que os bancos menos querem são problemas com o Banco Central.


Há menos de um ano minha mãe abriu uma conta corrente essencial em um grande banco e menos de 6 meses depois recebeu um telefonema no qual a atendente tentou convencê-la a adquirir algum dos pacotes de serviços do banco (= tarifa de manutenção mensal) e até salientou que o banco precisava arrecadar essas taxas para continuar no mercado, que sem elas fica difícil trabalhar etc.
Claro que minha mãe não aceitou e até citou a norma do Banco Central referente a conta essencial. Dessa forma, a atendente ficou sem argumentos e desistiu.
Achei absurdo e antiético tal telefonema, pois os bancos tem altos lucros com vários produtos que vendem ou que empurram aos clientes, como títulos de capitalização - logo farei um post sobre esse assunto. Ganham também com juros altíssimos de empréstimos, cheque especial e crédito rotativo do cartão de crédito.
Então fica o alerta: se receber telefonema semelhante, não se deixe convencer pelo atendente.

Qualquer dúvida, é só postar um comentário abaixo.



Créditos da imagem: David Castillo Dominici - Free Digital Photos


sexta-feira, 13 de junho de 2014

O amor pelos animais



Creio que essa é a mais difícil das recomendações de Jesus.

Amar o próximo que é nosso familiar, que é nosso amigo, é fácil. Mas e amar aquelas pessoas das quais não gostamos? E aquelas com as quais nunca mais gostaríamos de nos encontrar novamente?
Ainda não consegui desenvolver esse tipo de amor por pessoas das quais não gosto...
Então, gostaria de falar sobre um outro tipo de amor: o amor pelos animais. 


Menino e cachorro caminhando

Fico pensando: será que o próximo falado por Jesus não pode ser também um animal? Caso você acredite que não, por que não? Gostaria muito de saber a sua opinião sobre o assunto.

O que percebo é que a maioria das pessoas e das igrejas dão uma importância muito grande aos humanos e quase nada aos animais. Usando uma analogia, seria como uma mesa farta para os humanos e as migalhas que caem dela para os animais. Eu tentei muito entender o motivo dessa diferença de tratamento, mas sinceramente não consigo!

Muitos animais - me refiro aqui mais aos animais de estimação - são nossos próximos mais próximos, muito mais próximos do que os humanos. E o mais incrível: nos amam incondicionalmente e não nos pedem nada em troca. Nos amam como somos: mal-humorados, bem-humorados, extrovertidos, introvertidos, calmos, agitados, desastrados, cuidadosos... Nos amam com todas as nossas qualidades e a despeito dos nossos defeitos. Aceitam o nosso "pacote" completo. Isso me remete ao amor divino: não merecemos, mas Deus nos ama como somos, com todos os nossos defeitos.

Então, como não amá-los?
Quem tem animais em casa, sabe do que estou falando. É impossível não amá-los.

E, de nossa parte também, percebo que os amamos de forma incondicional, desinteressada. Os amamos pelo que são, do jeito que são. E, se estivermos dispostos a aprender, eles nos ensinarão preciosas , importantes e sábias lições.



Talvez por muito tempo eu continue a não entender o motivo das igrejas - e do mundo em geral - em inferiorizar os animais e exaltar os humanos. Mas talvez isso explique o fato de que o amor esfriou em muitos, como está escrito em Mateus 24:12 "E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará", pois se o primeiro passo foi o amor e o respeito esfriarem em relação aos animais, o passo subsequente  foi dado com mais facilidade, que é a falta de amor das pessoas em relação aos seus semelhantes, o que trouxe como consequência toda sorte de males e pecados dos quais a humanidade praticamente se tornou refém.

Como reverter ao menos um pouco essa triste situação? Qual é o primeiro passo?
Talvez uma atitude simples, mas difícil para alguns - ou para muitos: respeitar os animais e a natureza em geral, como eles merecem.
Não precisa amá-los. Respeitá-los já é o suficiente. Um grande, um enorme, um gigantesco passo.

Acredito que quem conseguir desenvolver bem essa etapa, não conseguirá não mais amar os animais. E quem sabe, consiga até chegar mais próximo do amor ao qual Jesus se referiu quando disse: "Amarás o teu próximo como a ti mesmo." (Mateus 19:19).


Pense nisso!


Créditos da imagem: Vlado - Free Digital Photos

terça-feira, 10 de junho de 2014

“Lei da Palmada” merece uma surra


Eu achei que esse é um dos melhores textos sobre a tão polêmica "Lei da Palmada". 
Vivemos em uma sociedade na qual os valores estão invertidos, não há mais respeito aos professores e muitos pais se sentem perdidos na educação dos filhos. 
Várias vezes presenciei crianças de 2, 3 anos fazendo birra, dando um show no local onde estavam. E as mães, meio perdidas, tentando dialogar com os pequenos, diante dos olhares das pessoas que se sentiam incomodadas com o barulho, mas ao mesmo tempo prontas a reprovar caso alguma palmada fosse dada na criança.
Se nem os adultos quando estão com raiva conseguem dialogar de maneira racional e equilibrada, imagine uma criança de 2 anos que está com raiva por não ter sua vontade satisfeita...

Como será esse país daqui a 10 anos? Melhor nem pensar sobre isso...

Crianças


Abaixo o excelente texto do Régis Tadeu, do qual tirei o título para esse post.


Sim, o título deste texto foi escrito para chocar mesmo, principalmente aqueles que aplaudiram a ridícula iniciativa de alguns de nossos parlamentares, que já conseguiram solucionar todos os problemas do Brasil e agora, na falta do que fazer, resolveram – mais uma vez! – “jogar para a galera” e elaborar uma tal “Lei da Palmada”.

Não poderia ser diferente, né? Afinal de contas, estamos em ano de eleição e sempre pega bem estas exibições de correção política, mostrar que os deputados estão realmente preocupados com a “segurança de nossas crianças”. Isto rende muitos votos, certo?

Com tantas coisas para se resolver neste País abandonado pela razão e pelo bom senso, as "excelências" apelam novamente para propostas popularescas e absurdamente inúteis, como esta “lei da Palmada”, que agora passou a ser conhecida como “Lei Menino Bernardo”, em uma duvidosa 'homenagem' ao garoto que foi barbaramente assassinado no Rio Grande do Sul recentemente, supostamente pela madrasta e pelo pai.

Mais do que uma 'homenagem' ao menino morto, trata-se de um evidente e rasteiro golpe de marketing eleitoreiro para atingir em cheio o coração da comoção pública que tal crime causou. O que você queria? Que os políticos brasileiros tivessem um mínimo de escrúpulo? Claro que não, né? Isto é impossível.

Antes que você comece a bufar de raiva com o que escrevo, um alerta: sou absolutamente contra qualquer tipo de castigo físico contra crianças, adultos, velhos, marcianos, golfinhos e qualquer ser vivo. Ah, agora você está confuso, tentando entender a minha posição? Eu explico: castigo físico e agressão é uma coisa, uma palmada corretiva que uma mãe ou um pai dá em seu filho mal educado e birrento é outra. Completamente diferente. E posso explicar isto justamente porque não sou pai e nem pretendo ser...

Primeiro, é preciso que você entenda que a tal lei nada tem a ver com aquela barbaridade hedionda. Depois, é preciso separar uma coisa da outra. Dar uma palmada corretiva em uma criança que ainda está em fase de formação e, por não entender muito bem o que acontece à sua volta, testa constantemente os limites impostos pelos pais, é diametralmente oposto a uma surra que venha a causar traumas futuros da meninada. Nada a ver.

Pergunte a qualquer pai e mãe quantas vezes eles são ou forma obrigados a agir de maneira mais ríspida quando as crianças – assim com fazem filhotes de milhares de espécies animais – testam os limites da disciplina imposta pelos pais para que não se transformem em mini vikings ou “periguetes de tenra idade”.

Muitas vezes, palavras e broncas não resolvem certas situações. Sei disto porque vejo meus amigos e amigas passando por apuros tremendos com seus respectivos pimpolhos justamente porque não souberam ensinar noções definitivas do que é certo e errado. É desesperador em certos momentos. Eu mesmo tomei várias palmadas de meus pais em minha infância até aprender que certas atitudes não devem fazer parte de minha vida e de meu convívio com outras pessoas. Não me tornei nenhum serial killer por conta disto...

A questão toda é muito simples: não é necessário o Estado dizer aos pais como eles devem criar seus filhos. Se uma criança foi surrada ou agredida pelos pais ou por quem quer que seja, cadeia nos agressores. Simples. Tanto isto é verdade que a madrasta e o pai do tal garoto Bernardo estão em cana, aguardando a denúncia jurídica formal por parte dos promotores de Justiça e o posterior julgamento. Outra coisa: o excesso de demagogia faz com que as pessoas esqueçam que já existem leis específicas contra o abuso de violência em relação a todo mundo, criança, jovem, adulto ou velho.

O que absurdamente inconcebível é, a partir de agora, um pirralho execrável vai ter a total liberdade de transformar a vida dos pais, da família e da comunidade m que vive em um inferno dantesco. Garotos e garotas cruéis, que mais se assemelham a pequenos bandidos, não vão mais precisar testar os limites da educação dada pelos pais. Pessoas vão começar a chamar a polícia no instante em que virem os pais dando um puxão de orelhas ou uma palmada na bunda de seus filhos. É o fim da picada!

É óbvio que o Congresso e o Senado vão aprovar esta lei estapafúrdia. Incapazes de fazer algo que realmente melhore a vida do cidadão em termos de saúde, educação e situação econômica, política e social, políticos demagogos tratam de ludibriar a população incauta com regulamentações inúteis.

Que merda de país o Brasil se tornou, hein? 


Fonte: https://br.noticias.yahoo.com/blogs/mira-regis/lei-da-palmada-merece-uma-surra-163655854.html
Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos

terça-feira, 3 de junho de 2014

Carmim cochonilha - você sabe o que é?



O nome talvez não seja muito conhecido pela maioria das pessoa, exceto pelas que têm o costume de ler rótulos de alimentos.
Carmim cochonilha é um corante feito através do esmagamento de insetos. Isso mesmo, insetos.

Carmim cochonilha

Para que sejam produzidas 500 gramas de corante, são necessários aproximadamente 70 mil insetos, que são esmagados e fervidos para dar aquela coloração rosada típica de biscoitos, iogurtes, sorvetes, geleias, doces, gelatinas, gomas de mascar, sucos de morango ou frutas vermelhas em geral.
Esse corante é utilizado largamente pela indústria alimentícia e também para pigmentação de roupas e cosméticos.
Na lista de ingredientes do alimento, você encontrará algo como: carmim, cochonilla, cochonilha, corante carmim ou alguma outra derivação dessas duas palavras. O que mais chama a atenção é que algumas indústrias utilizam o nome "corante natural carmim", o que dá a falsa impressão de ser algo realmente natural.
No lugar da cochonilha poderiam ser utilizados outros corantes, como sumo de beterraba, mas a indústria parece não se interessar por essa forma mais saudável e ética de dar cor aos alimentos.
Sabe-se que a cochonilha é uma praga em várias regiões e muitos dizem que por isso é bom que sejam utilizadas para pigmentação, mas não podemos nos esquecer de que as joaninhas são os predadores naturais de cochonilhas e além disso, os insetos utilizados para pigmentação são criados especificamente para esse fim. 

Nota: Não sei quem é o autor dessa foto. Se você souber, por gentileza, me avise para eu colocar os devidos créditos no post. Desde já agradeço!

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Testemunho de Vinícius Prado no Programa 180 Graus


Um dos testemunhos mais emocionantes que já vi.
É um daqueles que vale muito a pena ver do inicio ao fim. 
Emocionante, principalmente quando ele relata sobre suas visitas à ala infantil do hospital do câncer.



terça-feira, 27 de maio de 2014

O céu e o inferno


Um homem, seu cavalo e seu cão caminhavam por uma estrada. Quando passavam perto de uma árvore gigantesca, um raio caiu, e todos morreram fulminados.
Mas o homem não percebeu que já havia deixado este mundo, e continuou caminhando com seus dois animais; às vezes os mortos levam tempo para se dar conta de sua nova condição...
 

A caminhada era muito longa, morro acima, o sol era forte e eles ficaram suados e com muita sede. Precisavam desesperadamente de água. Numa curva do caminho, avistaram um portão magnífico, todo de mármore, que conduzia a uma praça calçada com blocos de ouro, no centro da qual havia uma fonte de onde jorrava água cristalina.
O caminhante dirigiu-se ao homem que guardava a entrada.
- Bom dia.
- Bom dia - respondeu o homem.
- Que lugar é este, tão lindo?
- Aqui é o Céu.
- Que bom que nós chegamos ao céu, estamos com muita sede.
- O senhor pode entrar e beber água à vontade.
 E o guarda indicou a fonte.
- Meu cavalo e meu cachorro também estão com sede.
- Lamento muito, mas aqui não se permite a entrada de animais.
O homem ficou muito desapontado porque sua sede era grande, mas ele não beberia sozinho; agradeceu e continuou adiante. 


Depois de muito caminharem, já exaustos, chegaram a um sítio, cuja entrada era marcada por uma porteira velha, que se abria para um caminho de terra, ladeada de árvores.
À sombra de uma das árvores, um homem estava deitado, cabeça coberta com um chapéu, possivelmente dormindo.
- Bom dia - disse o caminhante.
O homem acenou com a cabeça.
- Estamos com muita sede, meu cavalo, meu cachorro e eu.
- Há uma fonte naquelas pedras - disse o homem e indicando o lugar. - Podem beber a vontade.
O homem, o cavalo e o cachorro foram até a fonte e mataram a sede. Em seguida voltou para agradecer.
- Por sinal, como se chama este lugar?
- Céu.
- Céu? Mas o guarda do portão de mármore disse que lá era o céu!
- Aquilo não é o céu, aquilo é o inferno.
O caminhante ficou perplexo.
- Vocês deviam evitar isso! Essa informação falsa deve causar grandes confusões!
O homem sorriu:
- De forma alguma. Na verdade, eles nos fazem um grande favor. Porque lá ficam todos aqueles que são capazes de abandonar seus melhores amigos...
(Paulo Coelho)

terça-feira, 20 de maio de 2014

Qual é o melhor: ração ou comida caseira para o seu cão ou gato?


Conforme prometido, esse é mais um artigo da série sobre os cães.


Se antigamente os cães eram alimentados com comida caseira, hoje o cenário é totalmente diferente. As rações, para todos os gostos e bolsos, são a base, senão a única fonte de alimento para os cães da era pós-moderna.
A indústria de rações e de todo tipo de coisa para pets é uma indústria bilionária que não para de crescer.

Talvez a maioria das pessoas que opta por esse tipo de alimento, o faz principalmente pela praticidade, o que é um ponto positivo inquestionável, pois facilita muito a vida dos donos de cães e gatos.
Com a vida atribulada, corrida e com muitos compromissos, quem é que tem tempo, paciência e vontade de preparar a comida deles?
A ração é tão prática! Na embalagem está escrito que ela supre as necessidades dos animais, tem vitaminas e proteínas em quantidades adequadas e algumas ainda tem uma imagem de carne e legumes fresquinhos. E mais: nos informam qual a quantidade ideal para cada tipo e peso de animal. 
Praticamente é o alimento perfeito!

Entretanto, gostaria de chamar sua atenção para 3 pontos:

1) Aumento da incidência de doenças como câncer, diabetes e disfunções da tireoide;
2) A formulação descrita nos pacotes de rações são bem genéricos e vagos apesar de terem nomes pomposos, que dão a impressão de serem algo excepcional ou fabricado exclusivamente para os animais. Por exemplo:
- hidrolisado de fígado
- farinha de peixe

- farinha de carne e de ossos
- sub-produtos de carne
- hidrolisado animal desidratado

3) A data de validade é de aproximadamente 1 ano. Qual a quantidade de conservantes e cloreto de sódio (sal) esse produto não deve ter em sua fórmula para apresentar tamanha durabilidade?

Talvez qualquer relação entre o primeiro com o segundo e terceiro pontos não seja mera coincidência....

Para finalizar, àqueles que se interessaram, eu gostaria de indicar dois sites sobre o assunto:
ABC Animal - Por que não dar ração? - leitura esclarecedora sobre o assunto
Cachorro Verde - alimentação natural em geral


Homem e cachorro


Créditos da imagem: Vlado - Free Digital Photos