terça-feira, 30 de setembro de 2014

Um pequeno grande pensamento



Os políticos e as fraldas devem ser trocados frequentemente e pela mesma razão.
(Eça de Queiróz)

Tempo de mudar


Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos


quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Mundo virtual - reflexão


Pessoas
Pegar trem é perceber que as pessoas estão cada vez mais conectadas na internet, no celular.
Muitos não se dão conta de que existe um mundo de cores, sol  brilhando pela janela, vento batendo para todos os lados.
As pessoas estão cada vez mais desligadas umas das outras, não percebem que a tecnologia e a correria estão afastando uns dos outros.
Cadê o 'bom dia'? 
Cadê o 'obrigado'?
Desculpa, não dá! 
Estou conectado no celular, que acabei de comprar em 10 vezes. Sou mais um desligado nesse mundo virtual.

Fonte: Jornal Metro - 26/07/2012 

Créditos da imagem: xedos4 - Free Digital Photos

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Os dois cães


Certa vez um sábio falou para um amigo:
-Dentro de mim há dois cães, um muito cruel e outro muito bom. Esses dois cães vivem brigando.

O amigo do sábio perguntou:
-E qual dos dois vencerá essa briga?

E o sábio respondeu:
- O que eu alimentar.


New life or old life
Texto: provérbio indígena
Créditos da imagem: mrpuen - Free Digital Photos

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Vida e morte


No fundo, lá no fundo ou talvez nem tanto, a morte assusta a todos nós.
Esse é mais um motivo para vivermos o momento presente de verdade, em toda a sua plenitude e com toda a intensidade que pudermos.
Deixemos o passado no passado e o futuro no futuro, sempre fazendo a nossa parte, o nosso melhor e esperando dias melhores, mas sem nos tornarmos escravos do nosso ego, de nossas expectativas, ansiedades, remorsos e tristezas. E principalmente, sem nos tornarmos escravos das expectativas dos outros.


Yesterday, now and tomorrow signpost

Como está escrito:
Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu próprio mal.
(Mateus 6:34)


Talvez a maioria de vocês conheça essa lenda árabe. Ela ilustra muito bem o quadro de desespero e angústia das pessoas diante da realidade da morte.

Certa vez um mercador de Bagdá mandou seu servo ao mercado comprar provisões. 

Pouco depois, o servo voltou, branco e trêmulo. Disse: 
- Mestre, agora mesmo, quando estava no mercado, fui empurrado por uma mulher no meio da multidão e ao me virar vi que fora a Morte quem me empurrara. Ela me olhou e fez um gesto ameaçador. Agora me empreste o seu cavalo, vou cavalgar para bem longe desta cidade, a fim de evitar meu destino. Irei a Samarra, lá a Morte certamente não me encontrará”.

O mercador emprestou-lhe seu cavalo. 

O servo montou, enfiou as esporas nos flancos do animal e, tão rápido quanto este conseguia galopar, se foi. 
Então o mercador foi até o mercado, viu a morte em pé no meio da multidão, seguiu até ela e disse: 
- Por que você fez um gesto ameaçador para o meu servo, quando o viu pela manhã?
- Não fiz nenhum gesto ameaçador - respondeu a morte. Foi uma reação de surpresa. Fiquei atônita ao vê-lo aqui em Bagdá, já que tenho um encontro marcado com ele hoje à noite noite em Samarra.



E então: o que estamos esperando para viver plena e conscientemente cada segundo, cada minuto, cada momento, a ponto de podermos um dia olhar para trás e ficar satisfeitos com a vida que tivemos?


Fonte da lenda árabe: https://lucynthesky.wordpress.com/2010/03/08/encontro-em-samarra-2/
Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos 




terça-feira, 2 de setembro de 2014

Mãe coruja


Amor
Essa é uma daquelas historinhas que nos trazem uma grande lição...

Mamãe coruja e o gavião fizeram um trato: ela não mexeria no ninho dele, e ele não mexeria no ninho dela.
O gavião disse à coruja:
- Meu ninho é aquele no topo da montanha. E os seus filhotes, quais são?
- Os meus filhotes são os mais lindos da floresta – respondeu a coruja, toda orgulhosa.
Tudo combinado: a coruja não chegava perto do ninho do gavião, e ele tinha todo cuidado para não comer os filhotes mais belos da floresta.
Um dia, caçando filhotes para comer, o gavião falou:
- Esses são horríveis, não podem ser filhotes da coruja. Vou comê-los.        

Assim que bicou o primeiro horrorzinho, chegou a coruja, gritando desesperada:
- Seu gavião malvado! Bastou a fome apertar para o senhor esquecer nosso trato!
O gavião sem graça tentou explicar:

- Mas, coruja, não é possível! Os seus filhotes não são os mais bonitos? Esses aqui são feios de dar dó...
- O quê? Os seus é que são medonhos! - respondeu a coruja. - Os meus filhotes são lindos!
O gavião então entendeu: as mães acham seus filhos bonitos, mesmo que não sejam, porque elas os veem com os olhos do coração.


Fonte do texto: http://sugestoescolaresdiversas.blogspot.com.br/2010/11/texto-com-interpretacao-mamae-coruja.html
Créditos da imagem: kdshutterman - Free Digital Photos